Topo

Moraes, sobre Acrônimo: não há nenhuma investigação porque não há nada ilícito

Pedro Ladeira/Folhapress
Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

21/02/2017 15h03Atualizada em 21/02/2017 15h37

Brasília - Em sabatina na Comissão de Constituição e Justiça, o ministro licenciado Alexandre de Moraes negou que tenha sido investigado na Operação Acrônimo. Indicado ao Supremo Tribunal Federal, o advogado destacou que a citação feita a ele foi arquivada liminarmente pelo ministro do STF Luiz Fux.

"Não há nenhuma investigação, porque não há nenhum ilícito. A imprensa inventa às vezes o que bem entender", afirmou Moraes alegando que as matérias foram "requentadas" e não têm qualquer comprovação.

Moraes explicou que o nome de seu escritório apareceu em planilhas de uma das empresas investigadas. Segundo ele, tratavam-se de contratos apresentados pela própria companhia à Justiça e que o encaminhamento do caso pela PF ao Superior Tribunal de Justiça e a remessa ao Supremo foi mera formalidade. O ministro ressaltou o arquivamento do caso em setembro.

A Operação Acrônimo, coordenada por Polícia Federal e Ministério Público Federal, apreendeu documentos que indicam o pagamento de pelo menos R$ 4 milhões de uma das empresas investigadas, a JHSF Participações, de São Paulo, para a firma de advocacia do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, entre 2010 e 2014. Na época, Moraes não tinha cargo público.

Em agosto do ano passado, a PF encontrou sobre a mesa de um dos principais executivos da JHSF, empresa do setor imobiliário, uma planilha impressa com o nome "Alexandre Moraes", além de valores e duas siglas, PT e PSDB.

Os valores a Moraes estavam associados à palavra Parkbem, antigo nome de uma empresa de estacionamentos do grupo JHSF.

Mais Notícias