Violência em São Paulo

Líder do tráfico em São Paulo se apresenta à Justiça após ter prisão revogada

Alexandre Hisayasu

Em São Paulo

A juíza Cláudia Vilibor Breda, da 2.ª Vara Criminal de Santa Isabel, região metropolitana de São Paulo, revogou a prisão preventiva de Wellinton Xavier dos Santos, o Capuava, apontado pela Secretaria da Segurança Pública como o maior traficante de São Paulo. A decisão é de 27 de abril. Ontem, ele se apresentou com advogado à Justiça.

Capuava estava foragido havia dois anos, depois que foi solto com um habeas corpus expedido pelo desembargador Otavio Henrique de Sousa Lima. O Tribunal de Justiça de São Paulo constatou irregularidades na decisão do magistrado, descobriu outras decisões suspeitas e o aposentou compulsoriamente em setembro de 2016. A mesma juíza decretou novamente a prisão preventiva do acusado, mas Capuava nunca mais foi localizado.

O acusado havia sido preso em julho de 2015, em uma mansão na zona rural de Santa Isabel, ao lado de outros quatro suspeitos. Com eles, o Departamento de Investigações Sobre Narcóticos apreendeu 1,6 tonelada de cocaína pura, 898 quilos de produtos usados na mistura da droga, quatro fuzis, uma pistola automática e várias munições. Uma das armas é uma .50, capaz de derrubar até mesmo um helicóptero.

Na ocasião, o então secretário de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, hoje ministro do Supremo Tribunal Federal, afirmou que Capuava era "o maior traficante de São Paulo" e que a apreensão foi uma das maiores já registradas pela Polícia Civil. Capuava também estava na lista dos 12 criminosos mais procurados do Estado. De acordo com o Denarc, ele faz parte do PCC (Primeiro Comando da Capita).

Razões

Em seu despacho, a juíza Cláudia Breda considerou que, embora tenha negado no passado alguns pedidos de liberdade a Capuava, não há mais quesitos que sustentem a prisão preventiva. Ela destacou que a fase de instrução processual foi encerrada e não há mais riscos dele interferir na investigação. A magistrada também considerou que em 27 de abril - data do despacho - o processo tramitava havia 635 dias, o que extrapolava o prazo legal para a prisão preventiva, que é de seis meses.

Cláudia afirmou também que, embora foragido, Capuava foi representado por seu advogado em todas as audiências. E, com a revogação da prisão, a juíza acredita em um novo interrogatório do acusado "não apenas para extrair sua versão dos fatos, mas principalmente para lhe conceder o sagrado direito constitucional da ampla defesa e do contraditório". Ela ressalta que não é um "adiantamento do mérito", mas que está seguindo entendimento de instâncias superiores do Poder Judiciário, que consideram a prisão uma exceção.

"Impede destacar que não obstante a gravidade dos fatos e toda a repercussão trazida pela magnitude de droga encontrada e dos delitos apontados na denúncia, ao longo desse biênio nenhum elemento foi trazido nos autos para evidenciar a periculosidade social do acusado", afirmou ela.

Por fim, a magistrada determinou a aplicação de medidas cautelares, como recolhimento domiciliar noturno após as 22 horas e pedido para não se ausentar da cidade onde mora por mais de 30 dias.

A assessoria de Imprensa do TJ-SP informou que a juíza não pode dar entrevista, de acordo com a Lei Orgânica da Magistratura, que a proíbe de comentar decisões sobre os seus processos. A reportagem não localizou os advogados. O Ministério Público disse que não foi notificado da decisão judicial e ainda vai estudar as medidas cabíveis. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos