Empresários pedem retomada de financiamento pelo BNDES

Em Brasília

  • Wilson Dias - 22.jun.2016/Agência Brasil

    O economista Paulo Rabello de Castro, que assume o BNDES

    O economista Paulo Rabello de Castro, que assume o BNDES

Empresários esperam que o novo presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Paulo Rabello de Castro, retome projetos de financiamento, mas analistas defendem a limitação de recursos.

O presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Robson Andrade, disse, em nota, que "o novo presidente do BNDES não pode perder a oportunidade de executar com celeridade os projetos de financiamento para a indústria e para a infraestrutura". Segundo ele, esses investimentos são essenciais para ajudar a retomada do crescimento da economia brasileira. "O Brasil não pode parar."

O presidente da Abiquim (representa a indústria química), Fernando Figueiredo, espera que o novo executivo "ajude a reconduzir o banco ao seu papel histórico, de fomentar o desenvolvimento social", papel que, para ele, Maria Silva Bastos Marques, que pediu demissão da presidência do banco na sexta-feira (26), não vinha cumprindo.

Frederico D'Ávila, presidente da Sociedade Rural Brasileira, diz que o BNDES deve agir como instituição pública, que preserva o interesse público. "Como é acionista da JBS e contribuiu para a formação desse oligopsônio, o BNDES não pode deixar a situação ir por água abaixo, senão arrebenta com a cadeia inteira."

O professor do Instituto de Matemática Pura e Aplicada, Aloisio Araújo, porém, espera que o BNDES mantenha política mais rigorosa e promova um enxugamento. "Os empresários têm de saber que os recursos estão limitados".

"A política da Maria Silva estava correta, em substituição ao que vinha sendo feito antes, com o excesso de subsídio a empresas eleitas", diz Samuel Pessôa, do Ibre. O professor da Fundação Getulio Vargas Renato Fragelli acredita que, ao reduzir o subsídio, ela "desagradou a burguesia nacional".

Para José Luis Oreiro, economista da UnB, a saída de Maria Silva pode ser indicativo de que o chamado "dream team", a equipe econômica de Michel Temer, pode estar se desfazendo. Ele lembra da pressão dentro do governo por parte de empresários para que flexibilizassem o crédito. "Talvez o aperto do BNDES tenha sido exagerado."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos