Governo e oposição avaliam escolha de Zveiter como a menos prejudicial

Daiene Cardoso

Brasília

A escolha de Sérgio Zveiter (PMDB-RJ) para relatoria da denúncia contra o presidente Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) foi vista tanto pela oposição como pela base aliada como a menos prejudicial entre as opções do presidente do colegiado, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG).

Ainda que Zveiter não seja 100% alinhado com o Palácio do Planalto, há um discurso oficial entre os governistas de que o peemedebista é sereno e técnico em sua atuação na CCJ. Nos bastidores, os aliados do Planalto avaliam que haveria com o deputado fluminense margem de negociação para apresentação de um parecer pela inadmissibilidade da denúncia.

Para os oposicionistas, a escolha de um peemedebista não é o melhor dos mundos por ser do mesmo partido de Temer, mas a postura de independência de Zveiter agrada. "Ele não é um capacho do governo", definiu o líder do PT, Carlos Zarattini (SP).

A base governista queria Alceu Moreira (PMDB-RS), Jones Martins (PMDB-RS) ou Laerte Bessa (PR-DF), notórios defensores do governo. O vice-líder da bancada do PMDB, Carlos Marun (MS), disse que Zveiter foi "uma boa escolha" dentro de um universo de opções de parlamentares menos comprometidos, seja com o governo ou com a oposição. "Temos de ter confiança no seu discernimento, em sua análise serena do caso", declarou Marun. O vice-líder brincou que ele mesmo seria o "nome dos sonhos" para a relatoria e deu sinais de desconfiança em relação ao que virá de Zveiter. "Se ele fizer loucura, vamos derrubar o parecer dele", disse.

Com um tom de voz pouco animado, o vice-líder do governo, Darcísio Perondi (PMDB-RS) afirmou que a indicação era "excelente". "Ele tem uma participação sóbria na CCJ", comentou.

Vitrine

Da ala oposicionista do PSB, Júlio Delgado (MG), acredita que o relatório de Zveiter vai balizar a vitória ou a derrota de Temer no plenário. Na avaliação do deputado, se o peemedebista fizer um parecer contra o acatamento da denúncia, estará "morto politicamente". Por relatar, pela primeira vez na história, uma denúncia de crime comum contra um presidente da República, Delgado lembra que Zveiter terá uma vitrine única em sua carreira política. "Ele não terá outra vitrine como essa", observou.

Minutos antes do anúncio da relatoria, a oposição se preocupou com as especulações de que o escolhido de Pacheco seria Evandro Gussi (PV-SP). Embora o deputado paulista tenha um perfil técnico, é próximo do governo e foi inclusive recebido por Temer em sua "maratona" de conversas com parlamentares nesta terça-feira, 4.

Enquanto presidia a sessão, Pacheco conversou discretamente com cada parlamentar da oposição que foi procurá-lo para saber quem seria sua indicação. Os oposicionistas deixavam a rápida conversa "de pé de ouvido" com um ar aliviado. Durante o anúncio para a imprensa, nenhum deputado de oposição protestou.

"A princípio, seria preferível que não fosse alguém do partido do presidente. De qualquer forma, espero que o escolhido atue de forma independente. O relator deve colocar o Brasil acima de vínculos partidários ou quaisquer interesses, tocando o relatório com total respeito à Constituição, de forma isenta e atendo-se aos fatos, que são irrefutáveis", afirmou Alessandro Molon (Rede-RJ).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos