Professora usa xadrez para estimular hábito de leitura em escola

Rene Moreira, especial para o Estado

FRANCA (SP)

Uma professora de Araçatuba, no interior paulista, provou que é possível usar a criatividade para despertar nos alunos o interesse pela leitura. Ana Lúcia Lopes Viana é professora de Língua Portuguesa e trabalha na sala de Leitura da Escola Estadual Altina Moraes Sampaio, que oferece o ensino em período integral.

Ela conta, porém, que vinha se sentindo incomodada com a baixa presença no local e, além disso, a maior parte dos frequentadores não ia à sala para ler, mas para disputar jogos de tabuleiro. Foi então que teve a ideia de inserir a literatura ao lado do jogos de xadrez.

A escola tem mais de 220 alunos dos ensinos fundamental e médio e o Xadrez Literário acabou sendo um sucesso. Para isso, a professora misturou na disputa do jogo roteiros de livros como O Diabo dos Números, Alice no País das Maravilhas e Alice Através do Espelho.

O trabalho começou em 2015 e a gincana realizada neste ano sobre o tema foi um sucesso, contando ainda com a participação de ex-alunos e funcionários do colégio. "A leitura acabou sendo uma aliada na vida e nas jogadas de enxadristas", contou a professora à reportagem.

A ideia consistiu em elaborar um jogo de RPG (Role Playing Game) com pistas que levam os alunos aos capítulos de livros para desvendar o enigma final e vencer a partida. Foram seis meses apenas para montar o projeto, que teve o apoio ainda de ex-alunos que são campeões de xadrez. "O resultado foi muito satisfatório e o interesse pelos livros cresceu", diz a professora, que está no magistério há 16 anos e viu aumentar o público na Sala de Leitura.

Além disso, se antes os alunos iam apenas para jogar e ler livros específicos e de sucesso, como as sagas Harry Potter ou Game of Thrones, hoje muitos já voltam suas atenções também para obras literárias importantes para a educação.

"Acho que assim o ensino não fica tão pesado e isso ajuda nessa descoberta da literatura", afirmou Ana Lúcia Viana. "Hoje a gente trabalha até a interpretação de texto usando o jogo de xadrez, isso é muito importante."

Sistema

Davi Queiroz, de 16 anos, um dos alunos envolvidos no projeto, explica como funciona o jogo. "Cada pista indica a classe de um jogador: peão, cavalo, bispo ou rei/rainha. A partir daí, os competidores jogam."

Pistas foram espalhadas pela escola usando códigos de barras e roteadores de internet instalados na sala de leitura e no pátio. Isso para os alunos codificarem as dicas com a câmera do celular e se darem bem nas partidas. "Existe uma temática, um jogo dentro da literatura", afirma a docente.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos