Bancada de Pernambuco pressiona Temer para não construir fábrica no PR

Isadora Peron

Brasília

A bancada de Pernambuco está pressionando o presidente Michel Temer para que o governo desista de construir uma fábrica de hemoderivados em Maringá, no Paraná, reduto eleitoral do ministro da Saúde, Ricardo Barros. Para os pernambucanos, a nova instalação vai "esvaziar" a unidade da Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás) construída em Goiana, a 62 km do Recife.

Deputados e senadores do Estado já estiveram com Barros para discutir o assunto, mas vão levar o caso até o presidente. Integrantes da bancada pernambucana têm se reunido com Temer para tratar do tema, e pretendem fazer uma reunião mais ampla na próxima semana, quando o peemedebista deve desembarcar em Pernambuco para uma agenda oficial.

Para o líder da bancada estadual, deputado João Fernando Coutinho (PSB-PE), Barros tem adotado um discurso "pouco transparente e pouco explicativo" sobre porque decidiu construir outra fábrica no Paraná. "Vamos procurar o presidente da República para conversar sobre o assunto. Somos 25 deputados e três senadores, de diferentes partidos, mas estamos todos unidos para impedir essa decisão inoportuna e oportunista", afirmou.

Segundo o deputado, já foi investido quase R$ 1 bilhão na fábrica em Pernambuco e a mudança de estratégia para a produção de hemoderivados no País "seria um atraso para o País e uma má utilização dos recursos já aplicados".

Como mostrou o jornal O Estado de S. Paulo em junho, o ministro da Saúde deu início pessoalmente a uma negociação para a construção de uma fábrica de hemoderivados em Maringá (PR), seu reduto eleitoral. Pela proposta de Barros, um consórcio seria formado entre os laboratórios públicos estaduais Butantã (SP), Tecpar (PR) e a Hemobrás de Pernambuco. A parceria também envolve a empresa suíça Octapharma, citada na Operação Máfia dos Vampiros, desencadeada em 2014 para investigar um grupo de laboratórios que combinavam tarifas para fraudar licitações de derivados de sangue.

Pela proposta, a Octapharma faria um investimento de US$ 500 milhões para produção de hemoderivados no País. Os recursos seriam utilizados ara adaptar e finalizar as obras no Instituto Butantã e na Hemobrás na área de sangue, além de construir uma fábrica na Tecpar. Hoje, o instituto do Paraná não apresenta atividades ou estruturas na área de sangue. Os três laboratórios ficariam encarregados da produção de hemoderivados para o País. O Butantã, no entanto, já avisou que não vai aceitar a parceria.

Por meio de sua assessoria, o ministro apontou que já fez uma reunião com os parlamentares do Estado e disse que marcou uma nova audiência para o dia 3 de agosto. "Não farei nenhum encaminhamento em relação a Hemobrás sem acordar com a bancada de Pernambuco. Aguardo acordo da bancada para consolidar os investimentos para a conclusão da fábrica da Hemobrás em Pernambuco", disse.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos