Momento é de "pregar o amor", diz Temer em Rondônia

Carla Araujo, enviada especial

Porto Velho

  • Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

    Presidente Michel Temer (PMDB)

    Presidente Michel Temer (PMDB)

Em um discurso precedido de diversas manifestações religiosas por parte de aliados, o presidente Michel Temer disse nesta quinta-feira (23), em inauguração da unidade Amazônia do Hospital de Amor (novo nome do Hospital de Câncer de Barretos), em Porto Velho, que o momento é de "pregar amor".

"É isso que devemos preservar, que nós devemos incentivar, que nós devemos pregar entre os brasileiros em geral", afirmou. "Não devemos ter brasileiro contra brasileiro, mas brasileiro com brasileiro", completou. Temer disse que "objeções de natureza política, de natureza administrativas" são "legítimas e naturais e nos ajudam a construir o governo".

Leia também:

Usando um discurso supostamente feito pelo governador Confúcio Moura (PMDB), Temer disse que ouviu do peemedebista que ele era uma pessoa "serena e tranquila". Segundo o presidente, Confúcio lhe elogiou dizendo que ele é "um homem de conciliação", que não se abalou com as inverdades e sacadas contra ele o seu governo.

"Eu contei a ele que quando pequeno, aos 7 anos, entrei em uma igreja e vi a palavra temperança", explicou o presidente, que afirmou que depois de saber que o significado é ponderação e equilíbrio usou a expressão como lição. "Eu penso que aquele fato religioso pautou a minha conduta", disse o presidente.

Diferentemente do que tem feito habitualmente em seus discursos, o presidente não destacou e não fez um apelo direto pela reforma da Previdência e nem exaltou os dados econômicos, já que o governador de Rondônia havia feito uma extensa fala com os "dados positivos do governo". "Confúcio citou dados importantes e nosso governo tem apenas 18 meses", disse Temer.

Ele, no entanto, não deixou de fazer seu afago ao Congresso e repetiu que graças ao diálogo com os parlamentares tem conseguido aprovar as reformas. "Congresso Nacional me deu apoio extraordinário", disse. "Não por acaso conseguimos fazer reformas sempre desejadas, mas não levadas adiante."

Hospital

A unidade Amazônia do Hospital de Amor, que oferece atendimento 100% pelo Sistema Único de Saúde, já está em funcionamento parcial, mas a previsão é que comece a realizar internações e cirurgias a partir de abril do ano que vem. A unidade terá capacidade para atender 9 mil pacientes por mês e, segundo o governo, com a habilitação do hospital como unidade de alta complexidade em oncologia, ela passará a receber mais recursos da União.

Segundo o presidente do Hospital de Amor, Henrique Prata, dos R$ 5 milhões necessários mensalmente para o custeio do local R$ 2 milhões virão do SUS e o restante serão recursos do Estado e de emendas parlamentares.

Temer elogiou a atuação da Prata à frente do hospital e lembrou de visitas que fez quando candidato a deputado na sede em Barretos, interior de São Paulo. "Só mesmo uma figura dotada de um espiritualidade superior, capaz talvez de despojar-se das vaidades humanas para dedicar-se ao povo brasileiro, poderia realizar o que foi realizado em Barretos e que hoje está sendo realizado aqui em Rondônia", disse.

Temer disse ainda que muitas vezes "não se pode esperar tudo do poder público" e disse que Prata "foi atrás de construir um sistema enaltecido em todo País."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos