PUBLICIDADE
Topo

16 são presos por integrar quadrilha que derrubou 300 mil palmeiras

José Maria Tomazela

Sorocaba

21/02/2018 19h13

Uma ação da Polícia Militar Ambiental e da Fundação Florestal prendeu 16 integrantes de uma quadrilha que cortava palmeiras da espécie juçara, ameaçada de extinção, para extrair o palmito, no Parque Estadual da Serra do Mar, entre a noite de terça-feira, 20, e a manhã desta quarta-feira, 21. De acordo com a fiscalização, o bando é suspeito de ter cortado ao menos 300 mil árvores no interior e no entorno do parque nos últimos anos.

Árvore típica da Mata Atlântica, os frutos da palmeira juçara estão na base alimentar de uma importante cadeia de aves e mamíferos, muitos ameaçados de extinção. A própria juçara, dizimada por causa do palmito muito apreciado, tem o corte proibido.

Parte dos homens foi surpreendida fazendo a derrubada das plantas, no interior do Núcleo Santa Virgínia, em São Luiz do Paraitinga. Outros suspeitos foram presos quando tentavam fugir pela Rodovia Oswaldo Cruz, na mesma região. Foram apreendidos celulares, facões, machados, veículos e 40 unidades de palmito in natura. O acampamento usado pela quadrilha foi destruído pela equipe de fiscalização.