PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Estudo com 50 mil pessoas aponta eficácia de vacina chinesa, diz Doria

Felipe Resk

São Paulo

23/09/2020 13h56

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta quarta-feira, 23, que a CoronaVac, candidata a imunizante contra a covid-19, apresentou segurança e eficácia na fase 3 dos testes com 50 mil voluntários na China. O Estado prevê ter 60 milhões de doses do produto até fevereiro de 2021 . As primeiras cinco milhões devem chegar em outubro e, até o fim do ano, a expectativa é ter 46 millhões.

Segundo Doria, os testes na China indicaram aproximadamente 5,3% de pacientes com efeitos adversos, todos de baixa gravidade. A eficácia, ainda de acordo com o governador, foi de 98%. Os estudos ainda não foram apresentados pelo governo. A previsão é de que sejam necessárias duas doses do produto para garantir a proteção.

O acordo firmado com a Sinovac permite a transferência de tecnologia ao Butantã, que poderá também produzir a vacina. Nove mil voluntários, todos profissionais de saúde, de seis Estados brasileiros participam da testagem da coronavac. Até o final de setembro, todos terão tomado as duas doses. No fim de agosto, o governo paulista também pediu pelo menos R$ 1,9 bilhão do Ministério da Saúde para ampliar a previsão de entrega da vacina Coronavac no próximo ano, de 60 milhões para 120 milhões de doses. Doria disse que o governo federal prometeu liberar o primeiro lote de R$ 80 milhões para apoiar o processo de produção.

Especialistas têm apontado que, além da comprovação da eficácia e da segurança da vacina, a imunização em massa também terá desafios logísticos, como estratégias de distribuição e aplicação do produto. A Organização Mundial da Saúde (OMS) já disse não prever imunização em massa antes de 2022.

Já o governo federal assinou acordo com a farmacêutica AstraZeneca, que desenvolve com a Universidade de Oxford (Reino Unido), um imunizante que também está na fase 3 dos ensaios clínicos, com humanos. Esse contrato também prevê transferência de tecnologia, para a fabricação de doses no Brasil. Já os governos de Paraná e Bahia fecharam parceria com a Rússia para testar a vacina Sputnik 5, também em fase final de testes. Ainda segundo infectologistas, ter mais de um imunizante contra a doença pode ser necessário para garantir proteção mais ampla da população.

Imunizante também será testado na Turquia

A Sinovac anunciou esta semana que vai iniciar o teste da vacina também na Turquia. De acordo com nota da empresa, em um primeiro momento, 1,3 mil profissionais de saúde entre 18 e 59 anos serão voluntários no país, nesta etapa considerada em que é testada a eficácia do imunizante. Em um segundo momento, 12 mil pessoas da população em geral receberão uma dose da vacina ou um placebo, no intervalo de duas semanas.

Cotidiano