PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

OMS: é cedo para avaliar impacto da ômicron, vacinação e medidas devem continuar

Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, em Genebra - Denis Balibouse/Reuters
Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, em Genebra Imagem: Denis Balibouse/Reuters

Camila Vech, especial para o Broadcast

São Paulo

01/12/2021 14h41

Em coletiva de imprensa realizada nesta quarta-feira, 1º, a Organização Mundial da Saúde (OMS) reforçou que ainda é cedo para afirmar que a cepa ômicron do coronavírus é mais transmissível e se há perda de proteção das vacinas para a nova variante.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, também ressaltou que a África do Sul não deveria ser penalizada por outros países por fazer o que é correto. Há uma preocupação de que outros países parem de informar rapidamente às autoridades sobre a pandemia com receio de penalizações.

"Pedimos a todos os países que tomem medidas racionais e proporcionais de redução de risco de acordo com os regulamentos internacionais de saúde, incluindo medidas para atrasar ou reduzir a disseminação da nova variante, como a triagem de passageiros antes da viagem e ou na chegada ou a aplicação de quarentena aos viajantes internacionais. A proibição geral de viagens não impedirá a disseminação internacional". A ômicron já foi localizado em pelo menos 23 países.

Questionada sobre Ano Novo e Carnaval no Brasil, a OMS seguiu com a mesma recomendação. "Não podemos dizer se é certo ou não manter. Existem uma série de medidas de proteção que já foram orientadas, como uso de máscaras e distanciamento social". Os especialistas da OMS reforçam que todos deveriam tomar medidas para diminuir sua exposição ao vírus". Em outro momento da coletiva, destacaram ainda: "É fato que quanto maior a circulação de pessoas, maior o número de infectados".

Vacinação

A OMS reforçou ainda para alertar que as pessoas continuem se vacinando. "As vacinas continuam a ser o meio mais eficaz de combater o vírus e casos graves da doença. Precisamos priorizar a população mais vulnerável que ainda não se vacinou por falta de suprimentos".

Coronavírus