Pai de autor de atropelamento do filho de Cissa Guimarães vai para o regime aberto

A Justiça do Rio concedeu progressão de pena para o regime aberto a Roberto Martins Bussamra, pai de Rafael de Souza Bussamra, que em 2010 atropelou e matou Rafael Mascarenhas, filho da atriz Cissa Guimarães. Com a decisão, Roberto Bussamra cumprirá o restante da pena em casa.

A progressão para o regime aberto ocorreu após Roberto Bussamra ter cumprido 1/6 da pena. O Ministério Público do Rio (MP-RJ) concedeu parecer favorável. A partir de agora, Bussamra cumprirá o restante da sentença em "prisão albergue domiciliar".

"De acordo com a decisão, Roberto Bussamra será monitorado por tornozeleira eletrônica e deverá recolher-se em sua residência das 22h às 6h, bem como permanecer nesta, em tempo integral, nos dias de folga, aí incluídos sábados, domingos e feriados. Ele não poderá se ausentar do Estado onde reside sem autorização judicial ou transferir sua residência para outro Estado da federação sem prévia autorização da Vara de Execução Penal. Também deverá comparecer ao juízo trimestralmente para justificar suas atividades e assinar o boletim de frequência", informou o Tribunal de Justiça do Rio.

Rafael Mascarenhas morreu após ser atropelado por um carro dirigido em alta velocidade por Rafael Bussamra. O crime aconteceu no Túnel Acústico, na Gávea, zona sul do Rio. À época, o filho de Cissa Guimarães tinha 18 anos e andava de skate com os amigos - o túnel estava fechado para a circulação de veículos porque estava em manutenção. Testemunhas afirmaram que o atropelamento aconteceu enquanto dois carros realizavam um "racha".

Além de atropelar, Rafael Bussamra deixou o local sem prestar socorro. No dia do crime, ele chegou a ser detido por policiais militares, mas foi liberado após o pai, Roberto, pagar propina de R$ 10 mil aos Pms.

Em 2015, cinco anos após o atropelamento, pai e filho foram condenados pela Justiça do Rio. Rafael foi condenado a cumprir 7 anos de prisão em regime fechado e mais 5 anos e 9 meses em regime semiaberto. Roberto, por sua vez, teria de cumprir 8 anos em regime fechado e 9 meses em regime semiaberto.

A dupla recorreu da sentença e as penas foram reduzidas. Rafael Bussamra foi condenado a 3 anos e 6 meses por homicídio culposo; Roberto Bussamra, por sua vez, teria de cumprir 3 anos e 10 meses por os corromper policiais militares. Ambos passaram a cumprir suas penas apenas em setembro do ano passado, 13 anos após os crimes.

O túnel onde aconteceu o atropelamento passou a ser denominado Túnel Acústico Rafael Mascarenhas.

Deixe seu comentário

Só para assinantes