Astronautas da Nasa 'presos' no espaço têm nova previsão de retorno: 'Sensação boa'

Dois astronautas que deveriam estar de volta à Terra há semanas disseram na quarta-feira, 10, que estão confiantes de que a cápsula espacial da Boeing poderá devolvê-los em segurança, apesar de falhas técnicas anteriormente detectadas.

Os pilotos de teste da Nasa Butch Wilmore e Suni Williams foram lançados a bordo da nova cápsula Starliner da Boeing no início do mês passado, sendo as primeiras pessoas a pilotá-la.

Vazamentos de hélio e falhas no propulsor quase atrapalharam sua chegada à Estação Espacial Internacional e os mantiveram lá por muito mais tempo do que o planejado. Agora, segundo as autoridades, o retorno pode ocorrer apenas no final de julho.

Em sua primeira entrevista coletiva em órbita, a dupla disse que espera retornar assim que os testes do propulsor forem concluídos aqui na Terra. Eles disseram que não estão reclamando do tempo extra em órbita e que estão gostando de ajudar a tripulação da estação.

Ambos já passaram por períodos anteriores no laboratório em órbita, que também abriga outros sete tripulantes. "Tenho uma sensação muito boa em meu coração de que a espaçonave nos trará de volta para casa, sem problemas", disse Williams aos repórteres. O voo de teste deveria ter durado oito dias, terminando em 14 de junho.

O diretor do programa de tripulação comercial da Nasa, Steve Stich, disse que o retorno dos astronautas da Starliner será no final de julho. A meta é levá-los de volta antes que a SpaceX entregue uma nova tripulação em meados de agosto, mas isso também pode mudar, observou ele.

Esta semana, a Nasa e a Boeing estão tentando duplicar os problemas do propulsor da Starliner em uma nova unidade na White Sands Missile Range, no Novo México, um dos principais locais de pouso no deserto do oeste dos EUA.

O problema está no sistema de propulsão, usado para manobrar a espaçonave. Cinco propulsores falharam quando a cápsula se aproximou da estação espacial em 6 de junho, um dia após a decolagem. Quatro deles foram reativados desde então.

Wilmore disse que deve haver um número suficiente de propulsores funcionando para que ele e Williams saiam de órbita. Há também motores maiores que podem ser usados, se necessário. "Aquele mantra que vocês já ouviram, o fracasso não é uma opção, é por isso que estamos aqui agora", disse Wilmore.

Continua após a publicidade

"Confiamos que os testes que estamos fazendo são os que precisamos fazer para obter as respostas certas, para nos fornecer os dados de que precisamos para voltar."

A Boeing e a Nasa consideram os testes em solo essenciais para determinar o que pode ter dado errado, já que essa parte da cápsula - o módulo de serviço - é descartada antes do pouso. Os vazamentos também estão localizados nessa seção descartável.

Até o momento, os testes não reproduziram as altas temperaturas atingidas durante o voo, de acordo com Stich. Os gerentes querem ter certeza de que os propulsores suspeitos não estão danificados, antes de trazer a Starliner de volta.

Eles foram acionados com mais frequência do que o previsto no início do voo, e a demanda extra sobre eles pode ter causado a falha, observou Stich.

Ao mesmo tempo, estão sendo realizados testes em terra para entender melhor os vazamentos de hélio, que podem ser causados por vedações problemáticas. As autoridades já haviam dito anteriormente que havia bastante hélio para a viagem de volta.

O furacão Beryl atrasou parte do trabalho. O Johnson Space Center em Houston, onde ficam os centros de controle da NASA e da Boeing, foi fechado no início desta semana para todos os funcionários, exceto os mais importantes.

Continua após a publicidade

Mark Nappi, da Boeing, enfatizou que, em uma emergência, a Starliner e sua tripulação poderiam retornar agora mesmo. Embora a empresa não acredite que os propulsores estejam danificados, "queremos preencher os espaços em branco e realizar esse teste para nos assegurarmos disso".

A Nasa encomendou as cápsulas Starliner e SpaceX Dragon há uma década para voos de astronautas de e para a estação espacial, pagando bilhões de dólares a cada empresa. O primeiro voo da SpaceX com astronautas foi em 2020.

O primeiro voo da tripulação da Boeing foi adiado várias vezes devido a problemas de software. Não houve discussões com a SpaceX sobre o envio de uma cápsula de resgate, disse Stich.

/Com Associated Press

Deixe seu comentário

Só para assinantes