Arábia saudita executa líder xiita e causa protestos do Irã

ROMA, 02 JAN (ANSA) - A Arábia Saudita executou 47 acusados de terrorismo neste sábado (02) e, entre os condenados, está o líder xiita Nimr Baqir al-Nimr.   

A morte do muçulmano, conhecido por sua oposição à família real saudita, causou revolta entre os seguidores da corrente xiita e fez com que o Irã ameaçasse o governo local. "A Arábia Saudita pagará um alto preço pela execução", emitiu em nota o Ministério iraniano do Interior.   

A execução de al-Nimr deve causar novos protestos da minoria xiita que mora no território saudita - em grande parte no leste do país e no Bahrein - e que exigem mais liberdades e direitos.   

A Arábia Saudita é uma nação de maioria sunita e ambas as correntes têm uma intensa rivalidade há séculos.   

A prisão de al-Nimr ocorreu em 2012, poucos meses após uma série de protestos - iniciados um ano antes - no Bahrein. Para ajudar o país vizinho, Riad enviou suas tropas para reprimir violentamente as manifestações e para evitar que elas entrassem em seu território.   

A Anistia Internacional havia dito que a condenação à morte do líder religioso - acusado de motim, desobediência ao rei e porte de armas - era parte de uma campanha das autoridades sauditas para "reprimir qualquer oposição".   

Entre os outros 46 mortos, estava Fares al-Shuwail, líder do grupo terrorista al-Qaeda na Arábia Saudita, e que estava detido desde 2004. Os demais eram acusados de pertencer ao mesmo grupo extremista e de ter realizado ataques contra civis entre os anos de 2003 e 2006. Segundo o Ministério saudita do Interior, foram executados 45 sauditas, um egípcio e um cidadão do Chade em diversos presídios nacionais.   

Em 2015, de acordo com diversas organizações humanitárias, a Arábia Saudita realizou 157 condenações à morte - ficando apenas atrás da China no ranking de mortes. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos