Italianas têm 'dificuldade' para ter acesso a aborto, diz UE

ESTRASBURGO, 11 ABR (ANSA) - As mulheres continuam a encontrar "dificuldades significantes" para ter acesso ao aborto na Itália, onde a medida é legal desde o final dos anos 1970, apontou um parecer do Conselho Europeu divulgado nesta segunda-feira, dia 11.   

Como resultado, o organismo acredita que a Itália esteja violando os direitos das mulheres de ter acesso a serviços de Saúde.   

Ainda segundo o Conselho, os médicos que não vêem problemas em realizar os abortos sofrem discriminação no país, que é muito religioso.   

Esses profissionais são vítimas de "vários tipos de desvantagens trabalhistas de forma direta e indireta" em termos de oportunidades de carreira, distribuição de cargos, carga horária, etc.   

Segundo dados do próprio governo italiano, sete em cada dez ginecologistas se negam a realizar o procedimento. Em algumas regiões do país, a cifra chega a 90% dos profissionais.   

Desta forma, nos últimos anos cresceu o número de mulheres no país que são obrigadas a apelar a clínicas ilegais, sendo sujeitas a multa, ou a viajar para outros países para realizar o procedimento.   

Desde de 1978, o aborto é permitido no país desde que a gravidez tenha menos de 90 dias. Os médicos, no entanto, têm o direito de se negar a realizar a medida, alegando objeção consciente. A denúncia foi feita ao Conselho Europeu pelo maior sindicato italiano, a Confederação Geral Italiana do Trabalho (Cgil).   

(ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos