PUBLICIDADE
Topo

Nova carta da UE à Itália diz que manobra é 'incompatível'

30/10/2018 21h34

ROMA, 30 OUT (ANSA) - A Comissão Europeia pediu nesta terça-feira (30) ao governo da Itália para fornecer, até 13 de novembro, um relatório sobre os chamados "fatores relevantes" que podem justificar uma tendência na relação dívida / PIB com uma redução menor do que a necessária.   

Em uma nova carta, o executivo da UE anunciou implicitamente que está trabalhando em um relacionamento que poderia resultar na abertura de um procedimento de violação da dívida excessiva .   

"A grande expansão orçamentária prevista para 2019 contrasta fortemente com o ajuste orçamentário recomendado pelo Conselho", lembra a Comissão da UE no documento.   

Para a União Europeia, "essa trajetória orçamentária, juntamente com os riscos descendentes para o crescimento nominal do PIB será incompatível com a necessidade de reduzir decisivamente a relação dívida/PIB da Itália".   

A carta, assinada pelo diretor-geral para assuntos monetários Marco Buti, é dirigida a Alessandro Rivera, diretor-geral do Tesouro em Roma.   

O texto ressalta que a "dívida pública italiana continua sendo uma vulnerabilidade crucial tão alta, que limita a margem de manobra do governo para despesas mais produtivas em benefício de seus cidadãos".   

Segundo o Eurostat, a dívida estava em 131,2% do PIB em 2017, "confirmando assim que a Itália não realizou progressos suficientes para cumprir o valor de referência". A Itália abriu um nova frente de batalha com a União Europeia por causa de sua lei orçamentária para 2019, que tem sido fortemente criticada pelo bloco, pois pode aumentar o rombo fiscal em um dos países mais endividados do planeta. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.