PUBLICIDADE
Topo

UE propõe criação de plano contra o desemprego por pandemia

01/04/2020 11h35

BRUXELAS, 01 ABR (ANSA) - A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou nesta quarta-feira (01) um novo plano de ação econômica para resguardar empregos durante a pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2).   

Batizado de Sure, o programa deve usar fundos de todos os Estados-membros do bloco e ajudar, neste momento, as economias dos países mais afetados pela doença, como Itália e Espanha. "A nossa vida cotidiana mudou radicalmente. Milhões de pessoas não podem ir trabalhar, mas devem ainda comprar alimentos e pagar contas. As empresas pagam os salários para os seus funcionários mesmo se, neste momento, não ganham nada. A Europa agora vem para dar apoio a eles, com uma nova iniciativa chamada Sure", disse Von der Leyen em um vídeo postado no Twitter.   

Citando o exemplo das regiões ao redor de Milão e Madri, que "são a espinha dorsal da economia europeia", a presidente da entidade afirmou que "milhares de empresas fortes e sãs estão lutando por causa da crise atual". Por isso, o programa foi criado com um conceito de "trabalho de curta duração".   

"Como funciona o Sure? Aprendemos com a crise financeira de 2008. Os Estados-membros que tinham disponível esse instrumento ajudaram milhões de pessoas a manterem seus postos de trabalho e as empresas a superar a crise financeira com seus próprios funcionários. Sure significa trabalho de curta duração apoiado pelo Estado", explicou.   

Em detalhes, Von der Leyen informou que o mecanismo é "simples".   

"Se não há pedidos, as empresas não devem demitir os funcionários. No tempo livre, devem ser ensinados para os trabalhadores, por exemplo, novas competências que também serão benéficas para a empresa. Assim as pessoas podem continuar a pagar suas contas e comprar o que é necessário", disse ainda.   

Segundo a União Europeia, a medida também tem impacto positivo na economia, porque o Sure acelera "a retomada, de maneira rápida, do motor econômico europeu". Além do programa, a Comissão Europeia deve votar já nesta quinta-feira (02) uma série de ações para combater os efeitos da pandemia. Uma das medidas que deve ser votada é a proposta de "maior flexibilidade sobre o uso dos fundos estruturais" do bloco. A ideia é que os governos nacionais possam ter maior mobilidade para usar o dinheiro em cidades e regiões mais afetadas pela Covid-19.   

A medida seria também uma forma da União Europeia acalmar os ânimos após uma reunião do Conselho Europeu, na última semana, fracassar em dar uma resposta econômica conjunta. Enquanto Itália, Espanha e França defenderam a criação de títulos de dívida comum para a zona do euro, os chamados "coronabonds" ou "eurobonds", Alemanha e Holanda foram contra o projeto. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Notícias