PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
3 meses

Itália: Neta de Mussolini é a mais votada para o posto de vereadora de Roma

Partido de Rachele, o Irmãos da Itália, de extrema-direita, se tornou o partido com mais votos nas eleições para a Câmara de Roma - Stefano Montesi/Corbis via Getty Images
Partido de Rachele, o Irmãos da Itália, de extrema-direita, se tornou o partido com mais votos nas eleições para a Câmara de Roma Imagem: Stefano Montesi/Corbis via Getty Images

Em Roma (Itália)

06/10/2021 11h25Atualizada em 06/10/2021 11h32

Rachele Mussolini, neta do fascista Benito Mussolini (1883-1945), foi a candidata mais votada para a Câmara Municipal de Roma nas eleições de 3 e 4 de outubro.

Postulante pelo partido de extrema-direita Irmãos da Itália, legenda que conta com a simpatia de militantes neofascistas, Rachele obteve 6.522 votos, de acordo com o jornal romano Il Messaggero, e se reelegeu vereadora na "cidade eterna".

Ela ocupa um assento na Câmara desde 2016. A candidata se beneficiou do sucesso do Irmãos da Itália, que obteve 17,42% dos votos nas eleições para vereador, tornando-se o partido mais popular de Roma.

Rachele é filha do pintor e pianista Romano Mussolini (1927-2006), quarto herdeiro de Benito Mussolini e Rachele Guidi (1890-1979).

Ela também é meia-irmã da Alessandra Mussolini, que foi senadora, deputada e eurodeputada por partidos de direita, mas que hoje se apresenta como alguém "de esquerda" e defende causas progressistas, como a criminalização da homofobia e da transfobia.

Já Rachele segue ligada à extrema-direita e, ao ser questionada sobre o avô, diz que o fascismo "deve ser entregue à história".

O partido dela já aparece na liderança das pesquisas de âmbito nacional e está à direita até da Liga, legenda ultranacionalista de Matteo Salvini, que nos últimos anos havia nadado de braçada na preferência do eleitorado.

Comandado pela popular deputada Giorgia Meloni, o Irmãos da Itália é anti-imigração, eurocético e contra a exigência de certificado sanitário contra a covid-19.

Além disso, o símbolo do partido incorpora a chama tricolor, imagem que fazia parte do emblema da extinta legenda neofascista MSI (Movimento Social Italiano).

No segundo turno em Roma, tanto o Irmãos da Itália quanto a Liga apoiam o advogado e locutor de rádio Enrico Michetti, que recebeu 30,14% dos votos nas eleições de 3 e 4 de outubro.

No entanto, o adversário dele, o social-democrata Roberto Gualtieri (27,03%), ex-ministro da Economia, é considerado favorito à vitória. O segundo turno está marcado para 17 e 18 de outubro.

Internacional