Analistas nos EUA descartam risco de 'venezuelização' no Brasil após ação contra Lula

João Fellet

Em Washington (EUA)

  • AFP

    Ex- presidente é alvo de nova fase da Operação Lava Jato

    Ex- presidente é alvo de nova fase da Operação Lava Jato

A operação da Polícia Federal contra Luiz Inácio Lula da Silva nesta sexta-feira deverá acirrar os ânimos entre críticos e apoiadores do ex-presidente, mas o Brasil não corre os riscos de mergulhar numa crise política comparável à da Venezuela, segundo analistas ouvidos pela BBC Brasil em Washington.

Após Lula ser conduzido para depor sobre sua relação com empreiteiras investigadas pela operação Lava Jato, manifestantes favoráveis e contrários ao petista brigaram em frente à casa do ex-presidente e no aeroporto de Congonhas. O PT convocou um protesto em solidariedade a Lula, e o Movimento Brasil Livre (MBL), que defende o impeachment da presidente Dilma Rousseff, marcou um ato a favor da Lava Jato.

Presidente emérito do Inter-American Dialogue, um centro de debates e pesquisas em Washington, Peter Hakim diz que apesar da polarização o Brasil não deve seguir os passos da Venezuela, onde confrontos entre defensores e críticos do governo têm provocado mortes e agravado a crise econômica.

"O Brasil não tem o tipo de divisão (radical) que vemos na Venezuela entre chavistas linha-dura, grupos de baixa renda que se beneficiaram enormemente de programas sociais, e uma classe média e alta que sente que o país foi tomado de assalto", ele diz à BBC Brasil.

Para Hakim, a relação entre governo e oposição no Brasil sempre foi mais fluida. "Mesmo a transição do regime militar para o civil foi feita com facilidade".

Analistas afirmam, no entanto, que a operação contra Lula dificulta ainda mais a posição de Dilma no governo.

A consultoria Eurasia divulgou um comunicado em que diz considerar provável a queda da presidente. Até quinta-feira, a consultoria avaliava que Dilma tinha mais chances de ficar no cargo que de cair.

Para a Eurasia, a detenção de Lula "deve gerar uma mobilização maior para o protesto pró-impeachment em 13 de março, ao qual congressistas serão bem sensíveis".

'Conflitos pontuais'

Diretor de América Latina da Eurasia, João Augusto de Castro Neves afirma que a ação contra Lula deve gerar apenas conflitos pontuais e reverberar positivamente entre investidores estrangeiros.

"Como aumentou o risco de Dilma cair, eles passam a achar que a solução da crise política e econômica no Brasil está mais próxima", diz Neves. "Se eles estão certos ou não, isso é outro debate."

Nesta sexta, o real se valorizou e a Bolsa de São Paulo opera em alta.

Para Kellie Meimam Hock, sócia-diretora da consultoria McLarty Associates e que serviu como diplomata no Brasil, a operação contra Lula sinaliza que "as instituições estão funcionando, e isso está levando o Brasil para uma nova era".

"Temos um grupo de promotores jovens e bem agressivos que estão mirando o que querem para o Brasil e usando as instituições para chegar lá".

Para Hock, o desafio de Dilma será convencer investidores e governos estrangeiros de que os rumos da Lava Jato indicam que o Brasil "é uma democracia funcional, com Judiciário funcional e instituições com um nível sofisticado, e não o contrário".

Para Harold Trinkunas, diretor de América Latina do Brookings Institution, outro centro de pesquisas e debates em Washington, a diferença entre Brasil e Venezuela é que, no Brasil, "as pessoas estão operando dentro das instituições para ampliar o alcance da lei, e não reduzi-lo".

Já na Venezuela, opina ele, a crise é alimentada por um governo que tem se valido de ações inconstitucionais para se manter no poder.

Trinkunas diz considerar que, embora no curto prazo a Lava Jato tenda a agravar a turbulência política no Brasil, no longo prazo a operação poderá ser vista como um marco no combate à impunidade, problema em que o país custa a avançar apesar da redução da pobreza e melhorias em outras áreas.

Todos os analistas disseram considerar improvável que os Estados Unidos tentem interferir na crise política brasileira.

"O Brasil não está pedindo a ajuda dos Estados Unidos", diz Hakim, do Inter-American Dialogue. "E na verdade os Estados Unidos não têm capacidade de ajudar o Brasil, não há muito que o governo aqui possa fazer."

Para Hakim, a postura da Casa Branca diante da crise no Brasil reflete um menor envolvimento da Casa Branca em toda a América Latina, à exceção da América Central e da Colômbia.

"O Brasil está muito distante hoje."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos