Processo de impeachment

PMDB: O partido que jamais elegeu um presidente pode voltar a comandar país

Mariana Schreiber

Em Brasília

  • Renato Costa - 15.jul.2015/Frame

    PMDB tem chances reais de voltar ao comando do país sem ter sido diretamente eleito

    PMDB tem chances reais de voltar ao comando do país sem ter sido diretamente eleito

É aguardado para a tarde desta terça-feira (29) o anúncio de que o maior partido brasileiro vai desembarcar do governo Dilma Rousseff (PT), o que eleva consideravelmente o risco de a petista sofrer um impeachment e de o país passar a ser comandado pelo vice Michel Temer, cacique do PMDB paulista e presidente da sigla desde 2001.

Não é à toa, porém, que o controle do Brasil pode cair novamente no colo do PMDB após um momento de instabilidade política. Mesmo sem jamais ter conseguido eleger diretamente um presidente, nas últimas três décadas o partido esteve quase sempre muito próximo do poder como aliado do governo, independente de qual fosse seu espectro ideológico –se mais à esquerda ou à direita.

Para cientistas políticos ouvidos pela BBC Brasil, tratou-se de uma estratégia deliberada da sigla. Após duas tentativas frustradas de eleger um presidente em 1989 e 1994, os peemedebistas entenderam que teriam mais sucesso alcançando grandes bancadas na Câmara e no Senado, tornando seu apoio algo fundamental para a governabilidade.

A estratégia tem sido exitosa para o partido, que tem aumentado cada vez mais seu espaço na Esplanada dos Ministérios. No entanto, apesar de terem recebido sete pastas na última reforma realizada por Dilma, os peemedebistas dizem se ressentir de não ter poder decisório na formulação das políticas públicas.

"O PMDB, do Sarney para cá, sempre esteve no governo, mas nunca esteve no poder", afirma Ibsen Pinheiro, presidente da sigla no Rio Grande do Sul, um dos principais focos de oposição à Dilma.

Vinte anos sem lançar candidato

Apesar de ser o maior partido do país, o PMDB não lança candidato a presidente desde 1994, quando Orestes Quércia recebeu apenas 1,24% dos votos, ficando em sexto lugar. Em 1989, Ulysses Guimarães – o "pai da Constituinte" – levou 4,7% dos votos, amargando o sétimo lugar na disputa. "Foram duas derrotas fragorosas", resume Antonio Lavareda, professor de ciência política da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco).

Na sua avaliação, esse fiasco tem a ver com o fracasso do governo José Sarney (1985-1990) no plano econômico. Em 1986, embalado pelo sucesso momentâneo do Plano Cruzado, que congelou os preços para estancar a inflação, o partido elegeu 22 dos 23 governadores. Logo após as eleições estaduais, o congelamento acabou, levando a uma disparada dos preços e da insatisfação popular. "A população entendeu que houve estelionato eleitoral e não perdoou o partido nos pleitos presidenciais seguintes", diz Lavareda.

Depois disso, avalia o professor, o PMDB entendeu que o melhor era se fortalecer regionalmente e eleger grandes bancadas de parlamentares. "Derrotado duas vezes, (o partido) desenvolveu a estratégia de não disputar a cadeira presidencial e fazer alianças regionais, alianças estratégicas nos Estados, elegendo em alguns lugares governadores e senadores, mas sempre bancadas de expressão na Câmara que facultem sempre a participação no governo federal seja à esquerda ou à direita", explica. "Essa bancada serve também para o PMDB ter fundo partidário e tempo de televisão, o que torna as alianças com o partido uma coisa muito apetitosa nos momentos eleitorais."

O PDMB não participou do início do governo Itamar Franco, que assumiu definitivamente a Presidência em dezembro de 1992, após o impeachment de Fernando Collor. O partido era, inclusive, crítico ao novo governo. Itamar voltou à sigla posteriormente, ainda durante sua gestão.

Reprodução/BBC Brasil
José Sarney chegou ao poder de forma indireta

Metamorfose

Outro fator que explica a dificuldade do PMDB em lançar candidatos presidenciais e sua consequente opção pelo fortalecimento regional é a profunda metamorfose que o partido sofreu nas últimas décadas, passando de uma legenda progressista para uma sigla fragmentada e sem linha ideológica clara, afirma o cientista político Rafael Moreira, que pesquisa a sigla em seu doutorado pela USP.

O PMDB nasce como MDB (Movimento Democrático Brasileiro) formalmente em março de 1966, quando o regime militar instaurou o bipartidarismo no Brasil – a Arena era o partido governista e o MDB a oposição consentida. Dessa forma, predominavam no partido bandeiras democráticas e liberais, como voto direto e liberdades civis.

Em 1979, com o fim o bipartidarismo, a sigla ganhou seu nome atual – Partido do Movimento Democrático Brasileiro. "O PMDB surge em 79 com uma composição muito de centro-esquerda, ainda tem comunista dentro dele. Só que vai se transformando ao longo dos anos", observa Moreira.

Ao longo dos anos seguintes, explica o pesquisador da USP, quadros com perfis mais ideológicos vão saindo do partido para ingressar em siglas de esquerda que voltavam à legalidade, como PCB, PC do B e PSB. Em 1988, outro grupo progressista sairia do PMDB e fundaria o PSDB – entre eles estão Fernando Henrique Cardoso, José Serra e Geraldo Alckmin.

Por outro lado, o PMDB vai atraindo cada vez mais políticos "pragmáticos", sem linha ideológica clara, muitos deles egressos da Arena (transformado em PDS) que buscavam de distanciar da ditadura conforme o regime ruía.

O próprio Sarney foi umas das principais lideranças do Arena e primeiro presidente do PDS. Ele entrou no PMDB para ser vice-presidente da chapa de Tancredo Neves, após ter perdido a indicação de seu partido para Paulo Maluf. A chapa peemedebista saiu vitoriosa em eleição indireta pelo Congresso Nacional – com a morte do presidente eleito pouco antes da posse, o líder maranhense foi empossado no cargo.

"O PMDB tem uma vulnerabilidade que é sua principal virtude: seu grande aspecto ideológico. Isso vulnerabiliza o partido para formular uma proposta nacional e ter uma candidatura presidencial. É difícil você achar um nome de união nacional", nota Ibsen Pinheiro.

"Mas isso lhe dá muita força regional em todos os Estados, em todos os municípios. E também lhe dá um papel central na superação de crises e um papel secundário na rotina administrativa", acrescentou.

Para Pinheiro, essa realidade torna improvável que o PMDB lance candidato próprio em 2018. Moreira também considera mais viável o partido apoiar algum candidato tucano nas próximas eleições.

Já Lavareda diz acreditar que, caso Temer venha a ser presidente e faça um bom governo, possa tentar se candidatar à reeleição, mesmo que um acordo pelo impeachment com o PSDB preveja um compromisso de que isso não ocorra. "Se o governo dele for absolutamente exitoso e a sociedade pressionar, forçando a revisão de um acordo, isso pode correr", disse.

Embora o próprio Temer já tenha sido citado na Operação Lava Jato, a exemplo de outras lideranças do partido, como o presidente do Senado, Renan Calheiros, e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, parece haver cada vez mais apoio a um eventual governo peemedebista no Congresso. Os três negam participação no esquema.

O que esperar desta terça?

A relação entre PT e PMDB teve seu ápice no segundo governo Lula, quando a popularidade do líder petista estava nas alturas, e vem se deteriorando desde que Dilma se tornou presidente. A reedição da chapa Dilma-Temer em 2014 só teve apoio de 60% do PMDB em sua Convenção Nacional.

Com o avanço da crise econômica e o desgaste gerado pela Operação Lava Jato e a nomeação de Lula como ministro, a oposição ao governo vem crescendo a cada dia dentro do partido. Vale lembrar que a eleição municipal, que ocorre em outubro, torna ainda mais custosa a manutenção da aliança.

O quadro para a administração petista se tornou ainda mais dramático após o PMDB do Rio, que vinha sendo um dos principais bastiões de sustentação de Dilma dentro do partido, ter anunciado na última semana a retirada do seu apoio ao governo.

A resistência que ainda existe à saída vem principalmente dos integrantes que têm cargos. Nesta segunda, porém, o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, entregou sua vaga. A expectativa é que seja estabelecido nesta terça um prazo para que os demais seis ministros e outras centenas de peemedebistas que ocupam cargos em escalões inferiores deixem o governo sem atropelo.

Agência Brasil
Foco de resistência ao impeachment, Renan aceitou estratégia do PMDB

Segundo a imprensa nacional, a estratégia foi aceita pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, que vinha sendo, até há pouco, um dos principais focos de resistência contra o impeachment dentro do PMDB.

A expectativa, porém, é que o partido não vote na reunião desta terça uma posição pró ou contra o impeachment. A saída deve ser mais suave, como costuma ocorrer quando se trata de PMDB. A notícia não é nada boa para a gestão Dilma, que teme que o desembarque do partido gere uma debandada de outras siglas da base.

Para tentar garantir o apoio mínimo necessário para barrar a abertura de um processo de impeachment (172 votos na Câmara), o Palácio do Planalto tenta agora identificar os peemedebistas que ainda apoiam o governo para lhes dar os cargos que serão entregues pelo outro lado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos