Processo de impeachment

Oposição busca "drama político" em votação pela TV, diz Washington Post

Em Brasília

  • Alex Ferreira/Câmara dos Deputados

    Deputados lotam plenário da Câmara para o debate do impeachment

    Deputados lotam plenário da Câmara para o debate do impeachment

O jornal americano The Washington Post afirma, na edição deste sábado (16), que a oposição quer atribuir à votação de amanhã na Câmara dos Deputados, que define sobre a continuidade do processo de impeachment, um clima de "drama político".

"Os opositores (da presidente) parecem ter definido o rito do evento para obter o máximo drama político. Os deputados vão anunciar seus votos um por um ao vivo na televisão, e terão dez segundos cada para fazer (ou gritar) um breve discurso", diz a publicação.

A votação na Câmara dos Deputados está marcada para começar às 14h, horário de Brasília. Cada um dos 513 deputados terá direito ao voto e são necessários 342 votos para que a análise siga para o Senado. 

Intitulado "Como funciona o processo de impeachment no Brasil", o texto, assinado pelo correspondente no Brasil Dom Philips, e para a América Latina, Nick Miroff, esclarece o passo a passo da votação na Câmara e afirma que, nesse momento, o foco tanto do governo como da oposição é conquistar o voto dos indecisos.

"Os dois lados estão supostamente engajados em uma disputa frenética para garantir os votos dos deputados indecisos, oferecendo ministérios e demonstrando a habilidade de distribuir bons cargos. E é exatamente esse tipo de comportamento que deixou a população brasileira furiosa com seus líderes políticos", afirma o Washington Post.

O jornal diz ainda que, embora a presidente Dilma Rousseff seja "profundamente impopular e esteja politicamente debilitada pela severa crise econômica do país", ela não é suspeita de enriquecimento ilícito, mas de ter cometido crimes de responsabilidade ao supostamente maquiar o rombo no orçamento com as chamadas "pedaladas fiscais".

"Em outras palavras, os deputados vão decidir se acreditam que ela agiu de forma tão irresponsável como presidente que as ações devam ser classificadas como uma ofensa política, mas não necessariamente criminosa", explica o jornal.

O Washington Post também questiona a capacidade de um eventual governo de Michel Temer injetar estabilidade política no país antes das Olimpíadas, já que ele "potencialmente também enfrenta um impeachment" - em uma referência ao processo em tramitação no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que acusa a chapa Dilma/Temer de ter sido financiada pelo esquema de corrupção investigado na Operação Lavajato, o que poderia culminar com a cassação tanto da presidente como do vice.

"Mesmo que a presidente Dilma Rousseff sobreviva ao voto dos deputados, a vontade política de tirá-la do cargo não vai acabar. Muitas outras propostas estão pendentes. Portanto, seus opositores poderiam simplesmente começar o processo todo novamente", finaliza o texto.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos