Lula, Park Geun-hye e Jacob Zuma: o dia que marca a derrocada de 3 ex-líderes mundiais

Fernanda Odilla

Da BBC Brasil em Londres

  • AFP via BBC

Esta sexta-feira é um dia-chave, e histórico, não só para o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, mas também para outros dois ex-líderes mundiais, todos eles acusados de corrupção.

No mesmo dia em que vence o prazo para o petista se apresentar à Polícia Federal em Curitiba para ser preso, a Coreia do Sul condenou a ex-presidente Park Geun-hye e a África do Sul levou a um tribunal Jacob Zuma, que até fevereiro governava o país.

Os três negam as acusações que pesam contra eles e afirmam que são vítimas de perseguição política.

Park Geun-hye, a primeira mulher a comandar a Coreia do Sul, foi condenada nesta sexta-feira a 24 anos de prisão e a pagar uma multa equivalente a US$ 17 milhões (R$ 56 milhões) por abuso de poder e coerção. A Procuradoria havia pedido uma pena maior: 30 anos de prisão e pagamento de US$ 127,1 milhões.

Ela governou o país de 2013 a 2016 e foi destituída do cargo sob as acusações de corrupção, suborno, abuso de poder e vazamento de segredos de Estado durante o período que ocupou o cargo.

Sem foro privilegiado, foi detida e ficou presa por um ano até o anúncio da sentença. O veredito contra Park foi transmitido ao vivo e representa, segundo analistas, o desfecho de um escândalo que despertou a ira da população contra políticos e representantes da elite econômica.

No centro do caso está a amizade entre ela e Choi Soon-sil, filha do fundador da Igreja da Vida Eterna e conhecida como "Rasputina" - em referência a Rasputin, o homem que exerceu enorme influência sobre o czar Nicolau 2º da Rússia no início do século 20.

Park é acusada de permitir que Choi tivesse acesso a documentos oficiais e que usasse as ligações com a presidente para pressionar empresas como Samsung, LG e Hyundai a fazer doações milionárias a fundações controladas por ela.

Park nega todas as acusações e afirma que o julgamento foi tendencioso.

Leia também:

A ex-presidente protagonizou um dos maiores escândalos de corrupção do país. Além de políticos sul-coreanos, as investigações apontaram para a suposta participação de importantes empresas no esquema.

O caso também permitiu a ascensão do liberal Moon Jae-in, adversário político de Park que acabou por substitui-la como presidente depois transformar a luta contra a corrupção em sua principal bandeira de campanha.

Acusações desarquivadas na África

Na África do Sul, ex-presidente Jacob Zuma, que renunciou ao cargo em fevereiro deste ano, compareceu no Supremo Tribunal de Durban na manhã desta sexta-feira para responder a acusações de corrupção contra ele - momento que vem sendo classificado como "extremamente simbólico" para a jovem democracia do país.

Ele está sendo processado por suspeitas envolvendo um contrato para aquisição de armas firmado nos anos 1990, quando era vice-presidente.

Zuma, de 75 anos, apareceu por 15 minutos na corte. Depois disso, a análise do caso foi adiada para o dia 8 de junho.

Em 2009, o Supremo Tribunal da África do Sul chegou a derrubar 783 acusações de corrupção contra ele, o que lhe permitiu concorrer à Presidência naquele ano.

Mas, no final do ano passado, mais alta corte sul-africana decidiu revisar as centenas de acusações que pesavam contra o então presidente.

Pressionado, Zuma renunciou ao cargo e agora enfrenta pelo menos 16 processos por corrupção, extorsão, fraude e lavagem de dinheiro.

Ele nega todas as acusações e diz não ter havido nenhuma irregularidade nos contratos firmados por ele.

"Eu nunca vi antes alguém ser acusado de um crime, essas acusações serem retiradas e anos depois as mesmas acusações serem recolocadas. Isso se trata meramente de uma conspiração política", afirmou após deixar a corte.

Felix Dlangamandla/AFP
6.abr.2018 - O ex-presidente sul-africano Jacob Zuma no tribunal em Durban

Prisão para Lula

No Brasil, Lula ainda tenta, por meio de recursos judiciais, adiar o dia em que vai começar a cumprir a pena de 12 anos e um mês a que foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro no caso conhecido como "Tríplex do Guarujá".

Mas o juiz Sergio Moro deu 24 horas para que o ex-presidente se apresente à sede da PF em Curitiba: o prazo vence às 17h dessa sexta. Muitos aliados do petista, contudo, pedem para que o ex-presidente resista e não se apresente para cumprir a pena.

Quando iniciar o cumprimento da pena, Lula vai ficar em uma sala de 15 metros quadrados com banheiro e que foi adaptada para recebê-lo no quarto andar da Superintendência da Polícia Federal na capital paranaense.

A sala é um dormitório que hospedava profissionais da PF de outras regiões que estavam de passagem pela regional de Curitiba, diz uma fonte da PF que não quis se identificar. As camas beliche foram retiradas para dar lugar a uma cama e uma mesa.

O espaço de 3 metros por 5 metros fica distante da carceragem da PF em Curitiba, onde estão presos outros réus da Lava Jato.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos