Peixe tropical venenoso se alastra pelo Mediterrâneo

Melanie Hall (tam)

  • Brian Skerry/National Geographic Creative

Típico da Ásia, o peixe-leão já se tornou uma das maiores ameaças aos ecossistemas de recifes no Atlântico. Ambientalistas alertam que ele está se espalhando também pelo Mar Mediterrâneo. A solução vem de garfo e faca.

O peixe-leão, uma espécie tropical altamente venenosa, vem se proliferando no Mar Mediterrâneo numa proporção que alarma os ambientalistas. O temor é que o invasor dizime as espécies integrantes do ecossistema regional.

A espécie, também conhecida como peixe-escorpião, foi avistada perto da Turquia e do Chipre, no Mediterrâneo Leste, alertou a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN). Predador altamente invasivo, ele possui ferrões tóxicos, cuja picada pode provocar dor extrema, vômitos, parada respiratória e até ser mortal para humanos.

Originário do Oceano Índico e do sul do Pacífico, não se sabe bem como ele alcançou o Oceano Atlântico, algumas décadas atrás. Desde então tem causado devastação nos ecossistemas marinhos locais, inclusive no Mar do Caribe.

Ecologistas temem que a presença do peixe-leão no Mediterrâneo tenha efeitos colaterais sobre todo o resto do meio ambiente marinho. Apesar da aparência intrigante, com cores chamativas e movimentos lentos, até tubarões evitam nadar perto dele. Isso deixa espaço livre para que devore e extermine outras espécies, também as que normalmente ajudam a manter sob controle a reprodução das algas.

"A debilitação da fauna e flora local pode também atrair outras espécies invasivas", adverte Carlos Jimenez, do Instituto Cyprus, centro de pesquisa em parceria com o Massachusetts Institute of Technology (MIT). Assim, o animal invasor "poderia ter um severo impacto negativo tanto nos ecossistemas como nas economias locais."

Expansão do peixe-leão

Segundo a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos (NOAA, na sigla em inglês), que acompanha marés e fenômenos climáticos, o peixe-leão é uma importante ameaça aos recifes no Oceano Atlântico e já está instalado ao longo da costa sudeste dos EUA, no Caribe e em partes do Golfo do México.

Os especialistas ainda procuram respostas sobre como ele alcançou o Atlântico. Suspeita-se que, nos últimos 25 anos, entusiastas do aquarismo venham jogado exemplares indesejados no mar. Outra possibilidade são águas de lastro de navios cargueiros, um esconderijo ideal para espécies invasivas.

Os primeiros avistamentos do peixe-leão no Mediterrâneo ocorreram em 1991, em Israel, e mais recentemente foram observados espécimes em águas do Líbano e da Tunísia, segundo a UICN. Assim como no Atlântico, aquaristas podem ter dado uma mãozinha. Outra versão seria eles terem vindo do Mar Vermelho pelo Canal de Suez, que costuma funcionar como passagem para espécies forasteiras.

A agência NOAA explica que as baixas temperaturas das águas são um fator ambiental que normalmente controla a disseminação em grande escala da espécie. Com o aquecimento das águas oceânicas, em decorrência da mudança climática, o peixe-escorpião e outros invasores podem ampliar seu âmbito de alcance e passar a afetar ecossistemas ainda intocados.

Efeitos cumulativos no oceano

No Mediterrâneo, porém, a mudança climática não conta tanto quanto a sobrepesca. Ela tem afligido gravemente a região nos últimos 2 mil anos, relatou à DW Carl Gustaf Lundin, diretor do programa global marinho e polar da UICN. "Portanto a mudança climática é a última de uma longa lista de coisas ruins que fizemos nesse mar."

Segundo Ken Collins, cientista marinho e pesquisador-chefe da Universidade de Southampton, a presença de garoupas predadoras regula a população de peixes-leão no Oceano Índico e no Pacífico australiano. "Mas, no Mediterrâneo, faz tempo que elas escassearam, por serem fáceis de pescar."

Lundin aponta que o ecossistema marinho já estava vulnerável quando a espécie estranha chegou. "O ambiente já não é tão resistente como costumava ser. No Caribe, deveria haver 90% de corais. Mas agora há 14%, e em alguns lugares, apenas 4%. Isso revela que o ecossistema lá está realmente doente", denuncia.

Pescar e comer em nome da natureza?

Pesquisadores do NOAA antecipam que os predadores continuarão a se alastrar, e que não podem ser eliminados por métodos tradicionais: uma vez que um invasor marinho se estabelece, é quase impossível erradicá-lo.

Em lugares como Cuba, Colômbia e Bahamas, os governos têm encorajado a população a comer os peixes-leão, a fim de combater seu alastramento. Na república socialista insular, há uma competição anual de pesca da espécie. Os restaurantes cubanos passaram a servir sua carne branca e suculenta, já apreciada como iguaria no Japão.

Lundin acredita que uma alternativa seria incentivar a população dos países costeiros do Mediterrâneo a também comer a espécie intrusa. Considerando a atual sobrepesca, encorajar mais a pesca parece não ser boa ideia, "mas, nesse caso, podemos abrir uma exceção", ressalva o diretor adjunto da UICN.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos