Moçambicanos exigem paz

Leonel Matias (Maputo)

Centenas de pessoas marcharam nas ruas da capital moçambicana para exigir o fim dos confrontos no país. Os manifestantes pediram também a responsabilização dos autores de dívidas milionárias garantidas pelo Estado.

A Praça da Independência, em Maputo, encheu-se de gente. Foi aí que, no sábado (27.08), convergiram centenas de manifestantes para exigir o fim da crise económico-financeira no país e dos confrontos entre as Forças de Defesa e Segurança e homens armados da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO).

Foram lidas mensagens, ouviram-se discursos de ocasião e dezenas de pessoas cantaram "povo no poder, povo no poder", juntamente com o rapper moçambicano Azagaia.

O Parlamento Juvenil pediu uma maior participação da sociedade civil nas decisões políticas.

"Queremos a sociedade moçambicana na mesa do diálogo e que o processo de revisão da Constituição seja um processo inclusivo e participativo", disse Salomão Muchanga, líder do movimento de advocacia em prol dos direitos e prioridades da juventude, que organizou a marcha.

Dívidas

Durante a marcha, os manifestantes denunciaram também o aumento do custo de vida no país, que torna a "vida difícil", e houve ainda apelos à responsabilização dos autores de dívidas milionárias garantidas pelo Governo à revelia do Parlamento e dos parceiros internacionais.

Para Salomão Muchanga, é urgente que a Procuradoria-Geral da República (PGR) responsabilize os autores da dívida de 850 milhões de dólares garantida pelo Estado a favor da Empresa Moçambicana de Atum: "A dívida da EMATUM é privada, tem dono".

"Queremos que a PGR não se limite a lamentar, como lamenta o povo, mas tome uma posição enérgica", afirmou Muchanga.

Em julho, a Procuradoria reconheceu publicamente que houve uma violação da lei orçamental face à inobservância dos limites legais nas garantias concedidas pelo Estado a favor não só da empresa EMATUM, mas também da Proindicus e da Mozambique Asset Management, ambas ligadas ao setor da defesa marítima. Segundo a PGR, esta violação implicaria um ilícito criminal na forma de abuso de cargo ou função.

Os contornos das dívidas garantidas pelo Estado em 2013 e 2014 a favor das três empresas estão a ser investigados pela Procuradoria e pelo Parlamento.

Vários políticos, académicos e religiosos aconselharam, através da imprensa pública, que a marcha de sábado não se realizasse, considerando-a inoportuna, argumentando que o diálogo para a paz está em curso, que a crise económico-financeira é internacional e que a questão das garantias concedidas pelo Estado às dívidas das três empresas está a ser investigada.

Mas para a Presidente da Liga dos Direitos Humanos, Alice Mabota, "se eles fossem bons políticos, eles é que deviam protestar e organizar as marchas, para as pessoas exigirem os seus direitos."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos