PUBLICIDADE
Topo

União Europeia aprova ratificação de Acordo de Paris sobre clima

30/09/2016 14h58

Ministros de Meio Ambiente decidem não esperar por ratificações nacionais e avançam com medida no bloco. Para entrar em vigor, acordo de combate ao aquecimento global precisa agora ser aprovado no Parlamento Europeu.Os ministros de Meio Ambiente dos países-membros da União Europeia (UE) aprovaram nesta sexta-feira (30/09), em Bruxelas, a ratificação do Acordo de Paris, que determina as diretrizes universais para o combate ao aquecimento global.A decisão foi aprovada por unanimidade, num raro avanço político na União Europeia, que passa por período de instabilidade com a crise migratória e a saída do Reino Unido. "Todos os países-membros deram sinal verde para a ratificação do Acordo de Paris. O que alguns acharam impossível agora é realidade", comemorou o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.Os ministros aprovaram, na prática, a aceleração do processo de ratificação ao nível da UE, sem esperar pela implementação do acordo em cada Estado-membro. Apenas sete países da União Europeia já concluíram esse procedimento, entre os quais a Alemanha e a França. A decisão acordada depende agora da aprovação do Parlamento Europeu, cuja votação deve acontecer na próxima semana.O comissário europeu de Ação Climática e Energia, Miguel Arias Canete, classificou a decisão como histórica, e a aprovação seria uma resposta as críticas de que a UE perdera a liderança nas políticas de combate às mudanças climáticas. "Em tempos difíceis, nós conseguimos agir juntos", ressaltou.Críticos afirmavam que os Estados Unidos e a China – os dois maiores poluidores do mundo – tinham deixado a União Europeia para trás na ratificação do acordo climático. A demora do bloco chegou inclusive a ser criticada pelo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.Estabelecido em dezembro do ano passado, o Acordo de Paris estabelece metas para a redução de emissões de gases do efeito estufa e a diminuição de uso de combustíveis fósseis. As medidas visam limitar o aquecimento global ao máximo de 2ºC acima dos níveis pré-industriais.CN/rtr/ap/afp/lusa