O começo do fim da "Selva de Calais"

Barbara Wesel, de Calais

Migrantes mostram ceticismo no início da remoção por não terem sido informados sobre seu local de destino, e muitos se negam a entrar nos ônibus e preferem deixar acampamento por conta própria."Vocês sabem para onde estão sendo levados?", pergunto para um grupo de sudaneses que, de malas e mochilas, estava sendo levado da chamada "Selva de Calais", o acampamento ilegal de migrantes no norte da França. Eram sete da manhã desta segunda-feira (24/10) e ainda estava escuro. "Não temos a menor ideia. Talvez para uma cidade ou para o campo. O governo está nos tirando daqui", respondem. Eles levam seus poucos pertences em direção ao local onde são efetuados os registros pelas autoridades francesas de imigração. Próximo dali, mais de cem ônibus aguardam desde o início da noite. Com eles, os refugiados serão distribuídos por toda a França até esta quarta-feira. Cerca de duas horas mais tarde, o primeiro grupo de 50 sudaneses deixa o acampamento rumo à Borgonha. Nenhum deles sabe onde fica essa região, famosa mundialmente por seus vinhos. "Eu sobrevivi o Saara. Também vou sobreviver isso aqui" O clima entre as centenas de pessoas que, ao longo do dia, partiriam para um local por elas desconhecido era de ceticismo. Samuel, de Eritreia, não quer entrar num dos ônibus. "Não vou junto porque eles não nos dizem como as coisas serão daqui para frente", explica, enquanto passa ao lado da fila de espera. Ele está há oito meses na "Selva de Calais" e, quase todas as noites, tentou atravessar o Canal da Mancha escondido num caminhão. "Não tive sorte, mas agora estou exausto. Não aguento mais", diz. Mesmo assim, a exemplo de muitos outros, Samuel não quer ser colocado num lugar qualquer e desconhecido da França e prefere tentar encontrar um abrigo perto de Calais ou em outra zona costeira. "Eu sobrevivi o deserto do Saara. Também vou sobreviver isso aqui", afirma. Sua namorada está no Reino Unido. Samuel planeja seguir para a Suécia e talvez encontrar-se com ela por lá. Ele diz não ver como problema o fato de as fronteiras da Suécia também estarem fechadas. "Por 500 euros encontra-se um contrabandista", garante. Como cidadão eritreu, Samuel tem direito a proteção na França, mas ele não confia nos procedimentos legais. Seu compatriota Ali é da mesma opinião. "Permaneci três anos na Itália. Lá não há nenhuma ajuda para nós. E se eles me mandarem de volta, o que vou fazer? Todos aqui conhecem as 'regras de Dublin' da UE: é preciso retornar ao país de chegada na Europa", explica. Sem saber para onde serão levados Os observadores da organização Médicos sem Fronteiras (MSF) acompanham as filas de espera. "Deveria haver filas separadas para crianças, famílias e necessitados. Já depois de três horas reina o caos por aqui", comentam. O registro de refugiados é tão demorado que surgem discussões e brigas entre aqueles que esperam na fila. A polícia precisa intervir. "Nosso problema é que não podemos verificar para onde as pessoas serão levadas e o que será delas", diz Samuel Hanryon, da Médicos Sem Fronteiras. Pouco tempo depois, as autoridades francesas avisam que os menores de idade inicialmente continuarão na "Selva de Calais". Faltam condições para cuidar especificamente deles. "Quem não sair daqui de forma voluntária é posto sob custódia", explica Hanryon, acrescentando que apenas uma parte desistirá do sonho de chegar ao Reino Unido. Os outros irão sumir e seguir tentando a travessia. "E assim não saberemos onde estão e não poderemos ajudá-los." A situação é intolerável especialmente para os jovens. "Se após o fechamento da 'Selva de Calais' acabar o acompanhamento da mídia, eu realmente ficarei preocupado com eles", afirma Hanryon. A MSF está interessada em rastrear os passos dos refugiados o tanto quanto possível. "Assim poderemos ajudá-los caso reapareçam em outros lugares na França." Uma vida sem dignidade O parlamentar Yann Capet presenciou o início do processo de evacuação do acampamento e tem uma visão um pouco diferente da situação no local. "Considerando-se que estamos retirando milhares de pessoas, tudo está bastante pacífico. De fato, as coisas estão indo muito bem", diz o político do departamento de Pas-de-Calais. "Muitos refugiados querem sair daqui, pois as condições são desumanas", afirma, olhando para as tendas esfarrapadas e as cabanas parcialmente destruídas. Mas o que será daqueles que se recusarem a sair? "Temos de convencê-los, convencê-los, convencê-los até o fim." As autoridades não querem confrontos violentos com milhares de migrantes desesperados, enfatizou o ministro do Interior da França, Bernard Cazeneuve. Capet também mostra preocupação com a situação dos menores de idade. Apenas 200 foram acolhidos no Reino Unido. Organizações não governamentais estimam que ainda há cerca de mil jovens na "Selva de Calais" – ou que deixaram o acampamento secretamente com a ajuda de contrabandistas e compatriotas. "Temos aqui este escândalo internacional de que há menores de idade não acompanhados que têm família do outro lado do Canal da Mancha. O governo britânico precisa urgentemente fornecer uma solução", afirma Capet. "Eles ainda não fizeram o suficiente." Deve-se finalmente esclarecer questões de imigração com Londres. O parlamentar socialista direciona um último olhar ao acampamento antes de sua destruição. "As pessoas não tinham uma vida com dignidade aqui, e o acampamento prejudicou economicamente os habitantes de Calais", afirma Capet. Mas o parlamentar também sabe que, com a evacuação da "Selva", os problemas somente serão transferidos e não resolvidos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos