PUBLICIDADE
Topo

Merkel defende solução de dois Estados como único caminho

24/03/2017 12h57

Em encontro com Abbas, chanceler federal alemã afirma não haver solução alternativa para garantir paz entre israelenses e palestinos e critica assentamentos na Cisjordânia. Líder palestino agradece apoio da Alemanha.A chanceler federal alemã, Angela Merkel, reiterou nesta sexta-feira (24/03) o apoio da Alemanha a uma solução de dois Estados para resolver o conflito entre Israel e Palestina."Ainda não vejo nenhuma alternativa razoável para este fim que não seja uma solução de dois Estados", disse Merkel em encontro com o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmud Abbas, em Berlim.A chefe do governo alemão salientou que "tanto o povo israelense como o palestino têm o direito de viver em paz e segurança", algo que "nenhuma das outras opções pode garantir de maneira credível".Merkel manifestou ainda preocupação quanto aos assentamentos na Cisjordânia ocupada, que, segundo ela, representam um impedimento para a resolução do conflito no Oriente Médio. A chanceler alemã também alertou que se os palestinos querem paz, não devem "denunciar Israel unilateralmente" em fóruns internacionais.Em entrevista coletiva ao lado de Merkel, Abbas agradeceu a Alemanha pelo apoio político, material e moral dado aos palestinenses e suas instituições. O líder reiterou a importância das relações bilaterais e disse estar ao lado da Alemanha na luta contra o terrorismo. Na noite desta quinta-feira, ele defendeu que a Alemanha desempenhe um papel ativo no processo de paz no Oriente Médio.A possibilidade de uma solução de dois Estados parecia ter perdido força em fevereiro, quando o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que aceitaria um Estado único, apesar de deixar ambas as opções em aberto.Na quinta-feira, conversas entre EUA e Israel terminaram sem nenhum acordo sobre uma eventual limitação de construções nas terras reivindicadas pelos palestinos.As negociações de paz entre Israel e Palestina estão congeladas desde 2014, sendo a questão dos assentamentos um dos pontos mais controversos do conflito.IP/rtr/ap