Suprema Corte dos EUA abre caminho para veto migratório de Trump

Tribunal permite que governo coloque em prática maior parte do decreto que prevê proibição à entrada nos Estados Unidos de refugiados e de cidadãos de seis países de maioria muçulmana. Decisão é vitória para presidente.A Suprema Corte dos Estados Unidos concedeu uma vitória ao presidente Donald Trump nesta segunda-feira (26/06), permitindo que seu governo coloque em prática a maior parte de um controverso veto migratório. A corte revogou ordens de tribunais inferiores que bloquearam o decreto de Trump, que prevê uma proibição da entrada nos EUA, durante 90 dias, de cidadãos de seis países de maioria muçulmana: Irã, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen. Com a decisão desta segunda-feira, a Suprema Corte manteve uma categoria de estrangeiros protegida: aqueles "com uma reivindicação credível de uma relação de boa-fé com uma pessoa ou entidade nos Estados Unidos". A corte também permitiu o veto de 120 dias à entrada de refugiados nos EUA previsto no decreto. A primeira versão do controverso decreto anti-imigração, assinada poucos dias depois da tomada de posse de Trump, estabelecia a proibição de entrada nos Estados Unidos a imigrantes de sete países de maioria muçulmana. Em 6 de março, Trump assinou a nova versão do decreto, retirando o Iraque da lista e reduzindo-a a seis países. O decreto nem chegou a entrar em vigor, sendo bloqueado por um juiz federal do Havaí em 15 de março. Em 25 de maio, um tribunal de apelação de Richmond, na Virgínia, considerou que o veto viola a Primeira Emenda da Constituição americana, que estabelece que o governo deve permanecer neutro em questões religiosas. No último dia 12 de junho, um tribunal federal de apelações de São Francisco, na Califórnia, havia decidido manter o bloqueio ao veto migratório. Os juízes afirmaram que o presidente cometeu abuso de autoridade ao fazer julgamentos envolvendo segurança nacional e imigração sem apresentar justificativas adequadas. O decreto estava na Suprema Corte para apreciação a pedido da Casa Branca. Trump afirmou na semana passada que o decreto entraria em vigor 72 horas após ser liberado pela Justiça. O presidente alega que o decreto é necessário para permitir uma revisão interna dos procedimentos de triagem dos requerentes de vistos dos países visados no diploma presidencial. O processo de revisão deve ser concluído até 2 de outubro, quando os juízes da Suprema Corte irão ouvir, em audiência, argumentos relacionados ao veto. LPF/ap/rtr/lusa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos