A luta das mulheres contra o machismo no Vale do Silício

Lindsey Rae Gjording (ca)

Em universo predominantemente masculino, mulheres relatam assédio sexual e discriminação. Dos investimentos feitos no celeiro das startups americanas, parcela ínfima vai para empresas com líderes do sexo feminino.No Vale do Silício, o celeiro das startups americanas, cada vez mais mulheres vêm relatando abusos no local de trabalho. Entre as empresas acusadas estão Uber, Twitter, Apple, Oracle, Google e Tesla. Além das queixas, pesquisas conduzidas com mulheres que trabalham na região apontaram que 60% delas são vítimas de assédio no emprego, destacando a necessidade de uma dramática mudança da cultura de startup. De assédio sexual e toque indesejado a discriminação e retaliação, histórias de mulheres sujeitas a vários tipos de abuso estão surgindo numa proporção alarmante. Das consultadas nas pesquisas, por volta de dois terços disseram ter passado por investidas sexuais indesejadas no trabalho, muitas vezes por parte de superiores. Muitos atribuem isso ao domínio machista e de homens brancos no Vale do Silício e à a perpetuação da "bro culture", originalmente "brother culture" ou "cultura de irmão". Trata-se de uma cultura de nepotismo em que os fundadores de empresas colocam seus amigos e familiares nas primeiras posições, os investimentos em recursos humanos são quase inexistentes e o coeso grupo de empresários é mantido por meio da ligação entre indivíduos do sexo masculino em oposição ao verdadeiro profissionalismo. "Vê-se esse grupo insular de pessoas com mentalidade e aparência semelhantes a quem são dadas, de repente, imensos privilégios, oportunidade e riqueza", afirmou Jahan Sagafi, advogado do escritório especializado em reivindicações trabalhistas Outten & Golden. "E em pouco tempo, essas pessoas podem se sentir como se estivessem acima da lei." Enfrentando a "bro culture" Lakshmi Balachandra, que trabalhou tanto como empresária quanto como investidora, acumulou ampla experiência no assunto na época em que era a única mulher a trabalhar numa startup de investimento de risco. "Escuta-se sobre o Vale do Silício e a 'bro culture', e essa atitude é tão comum na área de tecnologia. Essa é a forma como os homens interagem entre si", aponta. "Se você não quer participar e não consegue lidar com isso, então você está fora do jogo; você não mais faz parte daquela rede e você não recebe as mesmas oportunidades", acrescentou. Isso enfatiza outro paradoxo de misoginia no local de trabalho – as poucas mulheres que conseguem adentrar esse campo masculino têm de trabalhar em condições questionáveis, e para cada uma delas, há um punhado de outras que nunca conseguiram uma primeira contratação. Essa falta de diversidade está diretamente relacionada ao prolongamento da "bro culture" no local de trabalho. "Acho que quanto mais mulheres existirem nesse campo, mais mudanças haverá e deverá haver", considera Balachandra. "Os problemas transparecem no mundo da tecnologia onde há mais mulheres, e elas falam sobre esse comportamento e conduta inapropriada." Poucos fundos para firmas comandadas por mulheres Apesar da ilusão de que a diversidade tem aumentado, a desigualdade de gênero no financiamento de capital de risco continua a aumentar, em prol dos homens. Em 2016, investidores de risco aplicaram 58,2 bilhões de dólares em empresas fundadas somente por homens, enquanto empreendedoras mulheres receberam míseros 1,46 bilhão de dólares. Explicitando essa relação extremamente desigual, observa-se que 5.839 companhias fundadas por homens receberam fundos, enquanto o mesmo aconteceu com somente 359 startups iniciadas por mulheres. Isso significa que as empresas estabelecidas por empresários conseguiram 16 vezes mais fundos que aquelas criadas por empresárias. Questão complexa A lógica por trás de por que mulheres recebem menos financiamento é atribuída, geralmente, a estudos mostrando que elas são mais avessas ao risco que os homens. Ou seja, as mulheres seriam mais inclinadas a apoiar investimentos mais baixos, no entanto mais seguros, como também mais hesitantes em apostar em ideias mais arriscadas. Os investidores de risco estão preocupados em não conseguir rendimentos tão altos se apoiarem uma empresa conduzida por uma mulher. Ao mesmo tempo, pesquisas apontam que 84% das mulheres que trabalham no Vale do Silício seriam "demasiadamente agressivas", indicando que pessoas do sexo feminino são julgadas por lentes mais paradoxais do que aquelas do sexo masculino. A demanda por uma mudança na cultura de startup vem crescendo, assim como o reconhecimento de que a causa e o efeito da questão não têm um diagnóstico simples. "Alguns reclamam que se trata de um problema estrutural, que não temos um número suficiente de mulheres graduadas nas áreas de ciências, tecnologia, engenharia e matemática. Outros afirmam que isso se deve a uma diferença na preferência feminina e masculina em relação ao risco", aponta Sahil Raina, especialista financeiro que leciona na Universidade de Alberta. "Eu não acredito que haja uma resposta única para essa questão. Sei de resultados de pesquisas mostrando evidências de que as mulheres podem ter uma menor taxa de participação, parcialmente por saberem que as startups delas estão menos propensas a ter sucesso com o financiamento de risco", diz. É inevitável que mais mulheres participem da força de trabalho no Vale do Silício. A verdadeira questão é por quanto tempo as startups fundadas por homens vão continuar a operar sem o verdadeiro cuidado e preocupação frente a todos os seus funcionários, e quantos executivos ainda terão de renunciar devido a escândalos de assédio no ambiente de trabalho.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos