Trump diz que filho é inocente em polêmica russa

Presidente afirma que alegações de interferência da Rússia na eleição americana de 2016 são "maior caça às bruxas da história" dos EUA. Filho foi "franco e transparente" ao falar sobre reunião com advogada russa, avalia.O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu nesta quarta-feira (12/07) a inocência de seu filho mais velho, Donald Trump Jr., após a revelação de que este se reuniu, durante a campanha eleitoral de 2016, com uma advogada russa na esperança de obter informações para prejudicar a candidata democrata, Hillary Clinton. "O meu filho Donald fez um bom trabalho ontem à noite. Foi franco, transparente e inocente. Esta é a maior caça às bruxas da história política. Triste!", comentou Trump no Twitter. O presidente se referiu à entrevista concedida por seu filho à emissora Fox News, transmitida na noite de terça-feira e na qual ele falou sobre a polêmica reunião que manteve com a advogada russa Natalia Veselnitskaya em 9 de junho de 2016, na Trump Tower de Nova York. "[A advogada] não tinha nada para contar. Foi uma total perda de tempo, o que foi uma pena", disse Trump Jr. na entrevista, ao enfatizar que sequer se lembrava dessa reunião, sobre a qual não informou ao seu pai até que o jornal The New York Times a revelou, no fim de semana passado. "Para mim, isso era investigar a oposição", justificou o primogênito de Trump, que disse que tinha a esperança de que a advogada tivesse "provas tangíveis" sobre os "escândalos" de Hillary, então candidata do Partido Democrata à Casa Branca. Trump Jr. insistiu que a reunião "não levou a lugar nenhum", o que já havia dito anteriormente. Antes, ele divulgara no Twitter uma série de e-mails para ser, segundo ele próprio, "totalmente transparente" sobre como e por que agendou o encontro com Veselnitskaya. A divulgação ocorreu depois de ele saber que o jornal The New York Times estava de posse dos e-mails. Num desses e-mails, o jornalista britânico Rob Goldstone, que preparou a reunião, informa a Trump Jr. que, no encontro com a advogada, ele receberia "alguns documentos oficiais e informações que incriminariam Hillary e as relações dela com a Rússia" e que seriam "muito úteis" para a campanha de seu pai. "Obviamente são informações sensíveis e de muito alto nível, mas fazem parte do apoio da Rússia e de seu governo ao sr. Trump", acrescenta Goldstone no e-mail. Poucos minutos depois, Trump Jr. responde ao e-mail agradecendo o gesto e demonstrando interesse pelo material. "Se for aquilo que você diz, eu adorei", afirma o filho do republicano. Nas próximas mensagens, os dois combinam um encontro entre Trump Jr. e uma "advogada do governo russo", segundo afirma Goldstone no e-mail, mas sem citar nomes, para o recebimento das informações sobre Hillary. A reunião ocorreu em 9 de junho de 2016 na Trump Tower, em Nova York. Jay Sekulow, um dos advogados do presidente americano, afirmou nesta quarta-feira que o magnata só viu os e-mails de seu filho na noite de terça-feira, e defendeu que Trump Jr. não cometeu nenhuma ilegalidade por manter uma reunião com a advogada russa. A legislação americana proíbe candidatos de aceitar ajuda de governos estrangeiros. O Departamento de Justiça e o Congresso estão investigando se a campanha de Trump recebeu ajuda da Rússia. O Kremlin, por sua vez, voltou a negar qualquer relação com a advogada e disse que a polêmica envolvendo a Rússia e a eleição presidencial de 2016 nos EUA é uma "novela interminável". AS/efe/ap/afp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos