Irã e Turquia dizem que combates na Síria vão continuar

Apesar de resolução da ONU pedindo cessar-fogo, potências afirmam que ataques a terroristas continuarão em território sírio. Combates em Ghouta Oriental prosseguem no dia seguinte à decisão do Conselho de Segurança.O Irã afirmou neste domingo (25/02) que forças a favor do regime sírio continuarão atacando grupos terroristas no enclave insurgente de Ghouta Oriental, nas proximidades de Damasco, apesar de uma resolução do Conselho de Segurança pedindo um cessar-fogo na Síria.

O general Mohammad Bagheri garantiu que tanto Síria como Irã vão respeitar o cessar-fogo, mas ressalvou que "as regiões na periferia de Damasco que estão nas mãos de terroristas não estão cobertas pelo cessar-fogo, e as ofensivas e operações de limpeza pelo Exército sírio vão continuar".

Leia mais: As várias guerras na Síria

Também a Turquia afirmou que vai prosseguir com suas operações contra grupos que considera terroristas na Síria, como a milícia curda YPG. Após saudar a resolução, o governo em Ancara acrescentou que continua decidido a "combater as organizações terroristas que ameaçam a integridade territorial e política da Síria".

"Está fora de questão que essa decisão tenha algum efeito na operação que a Turquia está executando", disse o vice-premiê Bekir Bozdag. Sem se referir à resolução, o presidente Recep Tayyip Erdogan afirmou que a operação em Afrin "continuará até que o último terrorista seja eliminado".

A resolução deixou de fora do cessar-fogo as áreas em que estão sendo travados combates contra grupos jihadistas, como o "Estado Islâmico", a Al Qaeda e a antiga Frente al-Nusra.

Ghouta Oriental tem sido alvo de intensos bombardeios por parte das forças governamentais sírias desde domingo passado. Mais de 500 civis, incluindo uma centena de crianças, morreram durante os sete dias de ataques consecutivos.

Merkel e Macron pressionam Putin

França e Alemanha pediram neste domingo à Rússia para que exerça "pressão máxima" sobre a Síria com vista à aplicação "imediata" da resolução que prevê um cessar-fogo humanitário no território sírio. Numa conversa telefônica com o presidente russo, Vladimir Putin, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, e o chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, sublinharam que será "crucial que a resolução seja aplicada rápida e integralmente", indicou uma fonte oficial alemã.

Putin se limitou a informar seus interlocutores sobre as "medidas práticas tomadas pelo lado russo para retirar civis, para transportar cargas humanitárias e para prestar assistência médica à população síria afetada", de acordo com um comunicado do Kremlin. "Foi dada especial atenção ao fato de que a trégua não se aplicar às operações contra os grupos terroristas", destacou Moscou.

Violência em Ghouta Oriental

Os combates continuaram em Ghouta Oriental neste domingo. Rebeldes que lutam para derrubar o presidente Bashar al-Assad disseram que entraram em confronto com forças pró-governo nas proximidades de Damasco, e voluntários e moradores disseram que aeronaves atacaram cidades em Ghouta Oriental.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos, uma ONG baseada em Londres, afirmou que ataques aéreos e de artilharia mataram ao menos 19 combatentes de ambos os lados e nove civis, além de ferir 31 pessoas nos subúrbios de Damasco neste domingo. Segundo a ONG, os bombardeios foram menos intensos do que nos dias anteriores.

AS/lusa/efe/ap/afp/rtr/dpa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos