PUBLICIDADE
Topo

Alemanha disposta a diálogo com Rússia, apesar de expulsões

30/03/2018 14h45

A reação de Moscou à frente unida da UE, EUA e aliados no caso Skripal não se fez esperar: quatro diplomatas alemães terão que voltar para casa. Na véspera, Rússia declarara 60 americanos personae non gratae.O governo da Rússia instou quatro membros da embaixada alemã em Moscou a deixarem seu território, em represália a medida semelhante tomada por Berlim. Ao tomar conhecimento da medida, nesta sexta-feira (30/03), o ministro do Exterior da Alemanha, Heiko Maas, declarou em comunicado não estar surpreso, mas reafirmou a disposição de seu país a dialogar com Moscou.

Maas lembrou que a Alemanha não tomara levianamente a decisão de expulsar quatro diplomatas russos, em reação ao envenenamento do ex-espião duplo Sergei Skripal no Reino Unido: "Foi um sinal político necessário e apropriado, em solidariedade ao Reino Unido, e por a Rússia se negar até agora a esclarecer os fatos."

Leia mais:

Melhora estado de saúde da filha de ex-espião russo

Opinião: A catástrofe diplomática de Vladimir Putin

Maas ressalvou que também no atual contexto a Alemanha está aberta ao diálogo com Moscou e trabalhará "pela segurança europeia e por um futuro construtivo para as relações bilaterais".

Segundo o Ministério do Exterior da Polônia, Moscou também declarou personae non gratae quatro membros de sua delegação diplomática, os quais devem deixar o território russo antes de 7 de abril. Assim como outros aliados europeus e os EUA, Varsóvia expulsara diplomatas russos em resposta à tentativa de assassinato em Salisbury.

Outros países afetados por represálias do Kremlin são Canadá, também com quatro diplomatas expulsos; Lituânia, com três; Itália e Holanda, com dois, cada uma; e Finlândia e Letônia, com um diplomata, respectivamente.

Na quinta-feira, 60 representantes diplomáticos dos Estados Unidos haviam sido expulsos da Rússia. Antes, Moscou declarara personae non gratae 23 diplomatas britânicos, o mesmo número de funcionários russos enviados para casa por Londres. O Kremlin segue negando qualquer envolvimento no envenenamento de Skripal e sua filha, Yulia.

AV/afp,efe,rtr,dpa