Por que o consumidor brasileiro se contenta com pouco?

Alexander Busch (md)

Muitos produtos no Brasil são caros, de qualidade ruim e tem pouca variedade. O serviço também é fraco. O que leva os brasileiros a se darem por satisfeitos com tão fraca oferta?Amigos brasileiros e alemães sempre ficam admirados com o que eu trago ao Brasil de minhas viagens à Alemanha. Não estou falando de pão ou muesli, coisas de que um alemão sempre sente falta no estrangeiro. Eu trago coisas simples e cotidianas: creme dental, canetas hidrográficas, até mesmo panos de limpeza para cozinha. Se ainda há espaço na bagagem, também filmes de PVC para embalar alimentos ou velas de réchaud.

Leia também:Admirável agricultura nova

Leia também: O problema de o Brasil não precisar de engenheiros

O motivo: a qualidade, a diversidade e a oferta desses artigos simples de consumo ainda são modestas no Brasil, apesar do aumento do poder de compra e da ascensão de 30 milhões de brasileiros à classe média. Supermercados de interior ou na periferia das grandes cidades lembram os tempos antigos do Leste Europeu, embora os preços estejam mais para os de uma delicatessen.

Supermercados populares alemães competem sem problemas com delicatessens ou supermercados sofisticados das áreas residenciais da classe média brasileira. Shampoo, ovos de Páscoa ou as mencionadas velas de réchaud custam no Brasil muito mais do que na Alemanha, embora a renda per capita europeia seja significativamente maior.

Em termos de qualidade, de qualquer forma, os produtos deixam bastante a desejar: o filme de PVC é tão fino que rasga permanentemente. O cotonete perde a cabeça de algodão, mal a pessoa o segura. O abridor de latas quebra depois da segunda lata de extrato de tomate. Para nossa cozinha, pudemos escolher entre exatamente dois modelos de lava-louças.

O serviço também é fraco. Na hora de fazer valer a garantia, lavadora, TV e multiprocessador permaneceram na oficina por vários meses, até que as peças que faltam sejam enviadas pelo fornecedor. A oferta é limitada: 90% das cervejas consumidas são compostas por três variedades de dois fabricantes que, além disso, têm gosto semelhante...E a lista poderia durar eternamente.

Esse tema tem a ver com a controvérsia surgida há um ano na UE, conhecida na Alemanha pela expressão Nutellagraben (fosso da Nutella). Os europeus do Leste reclamaram na época que alimentos com mesmo nome e rótulo tinham diferenças de qualidade, sabor e composição, dependendo do país. Na área deles são vendidas mercadorias inferiores – era a acusação vinda do Leste. A Nutella em Viena seria mais cremosa do que em Budapeste.

Quando eu pergunto aos produtores no Brasil sobre o motivo das diferenças em qualidade e preços, na maioria das vezes eles reclamam das altas tarifas de importação sobre produtos primários, os custos salariais e assim por diante. Isso é, certamente, justificado. E explica por que é mais barato para jovens famílias da classe média comprar o enxoval completo do bebê em Miami do que comprar tudo no Brasil – incluindo voo, aluguel de carro e hotel.

Após mais perguntas, aparecem outras respostas: um conglomerado global que, compreensivelmente, não quer ser identificado, atribui a pobre relação entre custo-benefício ao fato de os brasileiros se contentarem com pouco. Segundo ele, as pessoas não são acostumadas com melhor qualidade – e também não a reivindicam.

Economistas apontam que a concentração de mercado entre fornecedores de alimentos e varejistas é alta e vem crescendo. Sem concorrência, as corporações não teriam que se esforçar em mercados fechados como o Brasil. Os consumidores não teriam alternativas. Segundo eles, os brasileiros tradicionalmente comparam pouco preços. Isso seria devido à alta inflação, que dificulta compras racionais.

Uma explicação política para o fenômeno dos produtos de baixa qualidade oferecidos a preços elevados no Brasil vem de Matias Spektor, professor de relações internacionais: não há pressão política sobre as empresas para oferecer produtos melhores, mais baratos e em maior variedade. O interesse no assunto é limitado entre os formadores de opinião no Congresso, no mundo burocrático e nos governos. Enquanto a maioria dos brasileiros não conhece outra coisa a não ser a oferta local, a elite não é dependente do mercado local: ela faz a mala e compra o que precisa no exterior. Exatamente como eu faço.

Há mais de 25 anos, o jornalista Alexander Busch é correspondente de América do Sul do grupo editorial Handelsblatt (que publica o semanário Wirtschaftswoche e o diário Handelsblatt) e do jornal Neue Zürcher Zeitung. Nascido em 1963, cresceu na Venezuela e estudou economia e política em Colônia e em Buenos Aires. Busch vive e trabalha em São Paulo e Salvador. É autor de vários livros sobre o Brasil.

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos