Dívida pública da Itália é a maior da zona do euro

Alexandre Schossler

Endividamento do país alcança 2,3 trilhões de euros e é maior do que o da Alemanha ou da França. Na comparação com o PIB chega a 132%. Se a Itália quebrar, um resgate como o da Grécia seria impossível.A Itália é, depois da Alemanha e da França, a terceira maior economia da zona do euro, com um Produto Interno Bruto (PIB) de 1,8 trilhão de euros. Porém, quando o parâmetro é dívida pública, os italianos passam para a primeira posição na área da moeda comum.

São 2,3 trilhões de euros em dívidas, mais do que a Alemanha, que deve 2 trilhões, mas tem um Produto Interno Bruto (PIB) que é o dobro do italiano, de 3,5 trilhões de euros. Além disso, os juros dos títulos alemães estão em queda, quando não chegam a ser negativos, ao passo que os italianos estão aumentando. E, com eles, sobe também a dívida total.

Percentualmente, a Itália deve o equivalente a 132% do seu PIB. Isso significa que tudo o que o país produz em um ano não bastaria para pagar o que o governo deve, se fosse o caso de pagar tudo de uma vez.

Na zona do euro, esse percentual só fica abaixo do endividamento da Grécia, que equivale a 177% do PIB. Outros países também têm altos endividamentos, como Portugal, com 132%, Espanha, com 103%, e França, com 96%. A dívida da Alemanha corresponde a 71% do PIB do país.

Pelas regras que a União Europeia criou para si mesma com o Tratado de Maastricht, a dívida pública dos países-membros não poderia passar de 60% do PIB. Ou seja, não só a Itália, mas todas as grandes economias desrespeitam essa regra, e já há anos.

Economistas apontam o descumprimento contínuo dessas regras como um dos principais riscos para o euro. A outra regra de Maastricht diz que o déficit público anual (na prática as dívidas contraídas no ano) não pode passar de 3% do PIB. Também essa regra costuma ser frequentemente desrespeitada por vários países.

Efeito cascata

Por colocar o euro em risco, a enorme dívida pública da Itália é um problema para todos os países que adotam a moeda europeia. Um outro risco inerente à dívida italiana é que muitos bancos europeus são credores da Itália. Instituições francesas, por exemplo, são credoras de 310 bilhões de euros (incluindo empréstimos ao Estado e a empresas italianas). Bancos italianos também emprestaram muito dinheiro ao Estado. Só no caso do Generali são 63 bilhões de euros.

Todos os economistas concordam que, se a Itália tiver problemas semelhantes aos da Grécia, não poderá ser resgatada pelos demais países da UE por ter uma economia quase dez vezes maior do que a da Grécia.

E o problema é que, como os últimos dias mostraram, o risco de uma insolvência da Itália existe e se torna bem concreto se, por exemplo, os juros subirem rapidamente. Esta semana, títulos de cinco anos somente conseguiram ser negociados com juros de 2,3%, bem mais do que os 0,6% de alguns dias atrás.

Se essa tendência se mantiver, a Itália logo não conseguirá mais obter dinheiro nos mercados internacionais, a exemplo do que aconteceu com a Grécia, que em 2010 foi obrigada a recorrer a um pacote de resgate porque investidores apenas aceitavam comprar títulos gregos se o retorno em juros fosse muito alto.

Só que, no caso da Itália, os demais países não teriam os recursos necessários para ajudar. O PIB italiano é de 1,8 trilhão de euros. O da Grécia é de meros 195 bilhões. O Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM), criado durante a crise grega, dispõe de 400 bilhões de euros. Isso dá para ajudar a Grécia, mas fica bem aquém do que seria um resgate para a Itália.

Sinais positivos na economia

A situação da dívida pública italiana, porém, não é nova. Já no início do euro, em 1998, o endividamento do governo italiano era visto como um problema para o país adotar a moeda. Na época, o Instituto Monetário Europeu, antecessor do Banco Central Europeu, já reclamava que a dívida pública, então em 121% do PIB, estava bem acima dos 60% determinados.

Nos últimos anos, o que ajudou a Itália – e também outros países europeus – a manter suas dívidas sob controle foi a polêmica decisão do Banco Central Europeu de comprar títulos da dívida pública de países do euro. Desde que passou a ser adotada, em 2015, a medida ajudou a reduzir os juros pagos por esses títulos, o que vale também para os papéis italianos.

Porém, como os italianos gostam de ressaltar, apesar da dívida pública constantemente elevada, o país nunca esteve perto de quebrar. Muitos economistas concordam com essa observação e lembram que a atual performance da economia italiana é boa. O PIB deverá crescer 1,5% este ano, e o déficit público de 2017 foi de 2,3%. Uma nova reforma no mercado de trabalho e também uma reforma no sistema de impostos poderiam ajudar o país a estabilizar suas finanças, afirmam.

A coluna Zeitgeist oferece informações de fundo com o objetivo de contextualizar temas da atualidade, permitindo ao leitor uma compreensão mais aprofundada das notícias que recebe no dia a dia.

__________________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos