PUBLICIDADE
Topo

Morre o escritor e humorista brasileiro Millôr Fernandes

28/03/2012 14h07

Rio de Janeiro, 28 mar (EFE).- O escritor e humorista brasileiro Millôr Fernandes, criador de um célebre jornal que criticou com ironia a ditadura, morreu aos 88 anos no Rio de Janeiro, informou nesta quarta-feira sua família.

Autor de cerca de 40 romances, obras de teatro, letras de músicas e livros de poesia, Millôr sofreu derrame na noite de terça-feira em seu apartamento. Após o velório, seu corpo será cremado nesta quinta-feira.

O escritor foi um dos fundadores de "O Pasquim", uma revista humorística e satírica criada em 1968 que usando a ironia conseguiu burlar a censura e criticar o regime militar que imperou no Brasil entre 1964 e 1985.

Millôr Fernandes começou no jornalismo em 1938 com uma coluna na revista "A Cigarra" que assinava com o pseudônimo Vão Gogo, nome que utilizou durante décadas em diversas publicações, entre elas na revista "O Cruzeiro", uma das principais brasileiras dos anos 40 e 50.

Posterior a isso, colaborou com importantes veículos, como o "Jornal do Brasil" e a revista "Veja". De sua produção literária sobressaíram obras teatrais, mas também inúmeros contos, fábulas, poesias e romances.

Ele também foi tradutor de obras de William Shakespeare e ainda adaptou para o português textos de Molière, Bertold Brecht, Tennessee Williams, Mario Vargas Llosa, Augusto Monterroso e Darío Fo.

O humorista era conhecido pelo grande público brasileiro por suas frases criativas, que muitas vezes escrevia no formato de haiku (forma poética de origem japonesa) e de quadrinhos, que foram publicados em inúmeros jornais e revistas de todo o país.

Aos 17 anos, o escritor já demonstrava sua ironia inata, ele adotou o nome de Millôr, grafia errada com qual foi registrado. Seus pais queriam batizá-lo quando nasceu em 1923 como Milton.