Coreia do Norte estima em US$ 1,5 bilhão custo de lançamento espacial

Em Seul (Coreia do Sul)

  • Hong Ki-won/Yonhap/Reuters

    11.fev.2016 - Coreia do Sul apresenta partes de foguete lançado pela Coreia do Norte

    11.fev.2016 - Coreia do Sul apresenta partes de foguete lançado pela Coreia do Norte

A Coreia do Norte afirmou nesta quarta-feira (24) que o lançamento de seu satélite espacial custou US$ 1,5 bilhão (quase R$ 6 bilhões) e negou ter usado recursos do complexo industrial conjunto de Kaesong, fechado pela Coreia do Sul, para pô-lo em órbita.

É a primeira vez que o regime dos Kim apresenta um número concreto sobre o custo de seu polêmico projeto espacial que, segundo a comunidade internacional, esconde um programa de desenvolvimento de mísseis de longo alcance.

O Conselho de Cooperação Econômica norte-coreano, em comunicado divulgado hoje, respondeu com esta informação às recentes acusações do governo sul-coreano.

Seul tinha acusado Pyongyang de utilizar recursos que seriam do complexo conjunto de Kaesong, o último projeto econômico que ainda vigorava entre as duas Coreias, para desenvolver tecnologia de armas nucleares e foguetes de longo alcance.

"Se levarmos em conta que o salário pago aos trabalhadores da Coreia do Norte era de US$ 100 ao mês, é uma piada afirmar que utilizamos o dinheiro para o desenvolvimento do foguete", argumentou o conselho norte-coreano no comunicado.

Em 10 de fevereiro, a Coreia do Sul fechou unilateralmente Kaesong, onde 124 empresas sul-coreanas fabricavam produtos utilizando a barata mão de obra de 54 mil trabalhadores norte-coreanos, em represália pelo suposto teste de mísseis da Coreia do Norte.

Seul argumentou que grande parte dos aproximadamente US$ 100 milhões ao ano do orçamento dos salários acabavam, na verdade, com o regime de Kim Jong-un, e em último caso serviam para financiar seus programas nuclear e de mísseis.

"Nosso primeiro teste nuclear subterrâneo foi realizado em outubro de 2006, e o primeiro produto do Complexo Industrial de Kaesong foi fabricado em dezembro de 2006", argumentou o órgão estatal norte-coreano no comunicado.

A Coreia do Norte está sob grande pressão, já que tanto a Coreia do Sul como Estados Unidos e Japão aplicaram novas sanções econômicas após os testes, nuclear em janeiro e de mísseis em fevereiro, e o Conselho de Segurança da ONU endurecerá suas medidas punitivas em breve com uma nova resolução.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos