Governo e oposição sul-sudanesa acordam formar governo interino em março

Juba, 24 fev (EFE).- O governo e a oposição do Sudão do Sul anunciarão a formação de um executivo provisório na primeira semana de março, informou nesta quarta-feira o ministro sul-sudanês de Informação, Michael Makaui Luith.

Em entrevista à imprensa em Juba, o ministro explicou que em sua reunião com representantes da oposição armada, liderada pelo vice-presidente da República, Riak Mashar, foram alcançados "acordos" para a criação desse novo governo.

"Acordamos esse executivo provisório sem levar em conta o problema dos novos estados (províncias) anunciados pelo governo e que foram rechaçados pela oposição armada", destacou Luith.

Nesse sentido, Luith afirmou que ambas as partes se comprometeram a discutir o assunto dos estados e a elaboração da Constituição interina depois da formação do Executivo de união nacional.

Também foi acordado que "os parceiros internacionais efetuem a mudança das forças da oposição armada de suas atuais posições à capital antes do final do mês, para facilitar a chegada de Mashar a Juba a fim de que assuma seu posto de maneira oficial", acrescentou Makaui Luith.

Em 15 de janeiro, a oposição armada condicionou o retorno de Mashar a Juba ao cumprimento de vários requisitos, entre eles, a derrogação do artigo da Constituição, reformado em novembro, que estipulou a divisão do país em 28 estados, ao invés de 10.

O porta-voz do Movimento Popular da oposição, James Qadit, indicou que o acordo de paz assinado em agosto entre o governo e os rebeldes contempla a repartição do poder nos dez estados nos quais estava dividido o país no momento da assinatura.

Além disso, segundo a oposição, o governo de união nacional que deve ser formado como estipula o pacto "não pode ser anunciado à revelia de Mashar", que será vice-presidente durante o período transitório, que durará três anos.

O acordo, assinado EM 26 de agosto entre o governo e os insurgentes do Sudão do Sul, foi rubricado após dois anos de guerra.

Desde sua independência do Sudão em julho de 2011, o Sudão do Sul vive uma situação de instabilidade política que se acentuou com o início do conflito interno em dezembro de 2013, no qual calcula-se que morreram centenas de milhares de sul-sudaneses, além de deixar mais de dois milhões de deslocados.

A crise explodiu em 15 de dezembro de 2013, depois que o presidente Salva Kiir, da etnia dinka, denunciou uma tentativa de golpe de Estado liderado por Mashar (da tribo nuer), o que derivou em um conflito étnico entre comunidades.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos