Abdeslam quer ser extraditado "o mais rápido possível" à França, diz advogado

(Atualiza com o possível prazo de extradição).

Bruxelas, 24 mar (EFE).- O suposto mentor dos atentados de Paris, Salah Abdeslam, preso na última sexta-feira em Bruxelas, capital da Bélgica, quer ser extraditado "o mais rápido possível à França", indicou nesta quinta-feira seu advogado, Sven Mary.

Na saída de uma audiência na Câmara do Conselho de Bruxelas, responsável pela fase de instrução da investigação penal, Mary disse à imprensa que a extradição ao país vizinho, onde seu cliente é acusado de participar dos ataques do dia 13 de novembro do ano passado, é "uma questão de semanas".

Segundo o advogado, depois da audiência convocada para a execução do euro-mandato francês contra Abdeslam, marcada para a próxima quinta-feira, a transferência deve ocorrer "eventualmente em 15 dias".

Mary esclareceu a mudança de posição de seu cliente, que até então não gostaria de ser entregue às autoridades francesas. "Ele entendeu que o processo aqui é uma parte pequena do total. Acho que ele quer dar explicações na França e isso é bom", disse o advogado.

"Salah Abdeslam me expressou seu desejo de partir para a França o mais rápido possível. Falei com o juiz de instrução, que não se opõe que ele saia da Bélgica", disse o advogado.

A audiência na qual a Câmara do Conselho de Bruxelas deveria decidir sobre a manutenção de Abdeslam na prisão foi adiada para o dia 7 de abril, informou a Procuradoria Federal da Bélgica em nota.

O mesmo órgão também deve decidir sobre o prolongamento da prisão de Amine Choukri e de Abid Aberkane, que receberam Abdeslam no distrito de Molenbeek antes de ser detido, e de outros suspeitos de terem envolvimento com os ataques terroristas de Paris.

Absdelam também não será interrogado ao juiz de instrução, segundo o advogado. Além disso, Mary afirmou que seu cliente não quis colaborar com os investigadores que foram visitá-lo na prisão na terça-feira, após o duplo-atentado ocorrido em Bruxelas.

O suposto mentor dos ataques de Paris está sendo mantido na prisão de segurança máxima de Brugges e se recupera "pouco a pouco" dos ferimentos sofridos durante sua detenção, quando levou um tiro no joelho. As forças especiais belgas dispararam para imobilizá-lo, de acordo com o advogado.

Mary foi agredido ontem por uma pessoa que o reprovou por defender o terrorista.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos