Ministro belga admite que houve negligência na gestão do caso El Bakraoui

Bruxelas, 25 mar (EFE).- O ministro do Interior da Bélgica, Jan Jambon, admitiu nesta sexta-feira que houve negligência na gestão do caso de Ibrahim El Bakraoui, um dos autores dos atentados de Bruxelas, e considerou "inaceitável" o fato de nenhuma atitude ter sido tomada entre a prisão do terrorista na Turquia e a posterior deportação à Holanda.

"Após uma reunião com a Polícia Federal, só pude concluir que alguém foi negligente, não foi suficientemente proativo, nem comprometido com um dossiê no qual, desde o início, podíamos notar que se tratava de terrorismo", disse Jambon em uma audiência convocada pelo parlamento belga.

O ministro, que foi mantido no cargo pelo primeiro-ministro da Bélgica, Charles Michel, após ter apresentado sua carta de renúncia ontem, disse que, como responsável pela polícia, deve assumir a "responsabilidade política" pelo erro.

"Não é preciso ser superativo para compreender que há um risco muito elevado de alguém com o perfil de El Bakraoui - condenado a dez anos de prisão, detido durante vários anos, que viaja à Síria e que é capturado na fronteira com a Síria - pode ser um combatente estrangeiro", destacou o ministro.

"Desde o dia 26 de junho, o momento no qual fomos informados, e o dia 20 de julho, quando El Bakraoui foi levado de avião à Holanda, o oficial responsável não fez nada de essencial. A maneira como ocorreu é inaceitável e eu assumo as consequências", reiterou.

O ministro das Relações Exteriores da Bélgica, Didier Reynders, que também esteve na audiência, ressaltou, porém, que o método utilizado pela Turquia para comunicar a deportação de El Bakraoui não foi a habitual.

"O método habitual de trabalho é que os serviços policiais turcos entrem em contato com os funcionários dos outros países quando há uma extradição na ordem do dia", explicou o chanceler.

Desde maio de 2013, houve seis comunicações deste tipo entre Turquia e Bélgica, cinco delas realizadas em nível policial. A única enviada ao portal eletrônico da embaixada foi a de El Bakraoui, de acordo com o ministro das Relações Exteriores.

O ministro da Justiça, Koen Geens, admitiu que irá verificar se o conjunto de informações foi "tratado e comunicado corretamente". Além disso, considerou "imperativo" que os diferentes serviços de segurança implicados na luta contra o terrorismo colaborem entre si para prevenir novos atentados.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos