Trump liga pai de Cruz a morte de Kennedy em dia de primária-chave nos EUA

Em Washington

  • Aaron P. Bernstein/ Reuters

    O republicano Donald Trump faz campanha em evento em Carmel, Indiana (EUA)

    O republicano Donald Trump faz campanha em evento em Carmel, Indiana (EUA)

O empresário e pré-candidato republicano Donald Trump acusou nesta terça-feira (3) o pai de seu principal rival, Ted Cruz, de ter ligação com Lee Harvey Oswald, acusado de assassinar o ex-presidente John F. Kennedy, coincidindo com a eleição primária de Indiana, considerada como essencial para a corrida do partido à presidência dos Estados Unidos.

A acusação de Trump ocorreu por causa de uma foto publicada no mês passado pelo tabloide sensacionalista "National Enquirer". Oswald aparece ao lado de uma pessoa que a publicação identifica com o pai do senador, Rafael Cruz, distribuindo folhetos de apoio ao líder cubano Fidel Castro em Nova Orleans, em 1963.

Em entrevista à emissora "Fox News", Trump foi pedido para dar uma resposta à solicitação de Rafael Cruz para que os evangélicos de Indiana votassem em seu filho, sugerindo que a alternativa poderia significar a "destruição da América".

"O pai dele esteve com Lee Harvey Oswald antes de ele, você sabe, atirar (em John F. Kennedy). Ninguém menciona, nem sequer falam disso, mas eu acho que é horrível", respondeu Trump.

"O que ele estava fazendo com Lee Harvey Oswald pouco antes da morte (de Kennedy), dos disparos? É horrível", acrescentou.

Nascido em Cuba, Rafael Cruz deixou a ilha em 1957 e se estabeleceu nos EUA, apoiando em princípio a revolução liderada por Fidel Castro na ilha. Depois, o pai do pré-candidato renegou seu apoio a Castro e ao comunismo, e hoje é pastor evangélico.

A campanha do senador já classificou como "lixo" o artigo do "National Enquirer", mas hoje o próprio Cruz quis responder às acusações de Trump, chamando o rival de "mentiroso patológico". Já em Indiana, o pré-candidato afirmou que Trump é "narcisista" e uma pessoa "completamente amoral".

As eleições primárias que serão realizadas hoje em Indiana são vitais para os esforços de Cruz para manter viva a corrida pela Casa Branca e frear o avanço de Trump para conseguir a indicação presidencial republicana.

Graças aos triunfos da semana passada em cinco estados do nordeste do país, Trump tem agora quase 1.000 delegados dos 1.237 necessários para ser proclamado candidato, comparado com os 565 de Cruz e 153 do governador de Ohio, John Kasich.

Se Trump triunfar em Indiana, onde o vencedor levará a maioria dos 57 delegados republicanos em jogo, é muito provável que o empresário atinja o número necessário para indicação com uma vitória no próximo dia 7 de junho na Califórnia, estado no qual parte como favorito nas pesquisas de intenção de voto.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos