Partido de Shinzo Abe consegue maioria no Senado japonês, apontam pesquisas

Tóquio, 10 jul (EFE).- O governante Partido Liberal-Democrata (PLD) conseguiu a maioria no Senado do Japão após as eleições realizadas neste domingo, segundo as pesquisas de boca de urna que apontam uma clara vitória para o primeiro-ministro, Shinzo Abe.

As pesquisas divulgadas pela emissora pública "NHK" no encerramento da votação indicam que o conservador PLD e o parceiro partido budista Komeito podem somar entre 67 e 76 cadeiras, que juntas às 76 que já haviam obtido após o pleito de 2013 resultaria a maioria no Senado.

O Senado japonês realiza eleições parciais a cada três anos, nas quais se renovam 121 de seus 242 integrantes por um mandato de seis anos. Até duas horas antes do fechamento dos centros de votação, a participação tinha sido de 32,49%, número praticamente idêntico ao pleito de julho de 2013, segundo o Ministério de Interior do país.

Caso esses resultados sejam confirmados, o partido do primeiro-ministro e seus parceiros manteriam o controle das duas câmaras da Dieta (parlamento) e cumpririam seus objetivos para este pleito.

O Partido Democrático (PD), que esteve no poder de 2009 a 2012, pode conseguir, segundo as primeiras pesquisas, 30 cadeiras, o que representa um notável avanço em relação às 17 obtidas no pleito de três anos atrás para o Senado.

Mais de 106 milhões de japoneses maiores de 18 anos foram convocados às urnas em uma jornada eleitoral que começou às 7h locais (19h de sábado em Brasília) e se prolongou até as 20h locais (8h em Brasília).

Essas eleições servem para testar a liderança do primeiro-ministro conservador, que com esta vitória conseguiria um novo respaldo à política econômica conhecida como "Abenomics".

O agressivo programa de estímulo para tirar o Japão da deflação crônica iniciado por Abe após ganhar as eleições de dezembro de 2012 conseguiu disparar os lucros das grandes empresas e mercados, mas não foi mantido um crescimento constante.

A maioria conseguida pelo partido de Abe junto ao parceiro de governo, Komeito, também será um passo para uma polêmica reforma da constituição japonesa, com a qual pode ser eliminado seu caráter pacifista, e para isso precisa do apoio de dois terços do parlamento.

Segundo as pesquisas, o bloco a favor de uma reforma da Constituição, que é formado pela coalizão de governo e outros dois partidos minoritários, "Restauração" e "Coração", alcançaria essa maioria sem problema.

Essas são as primeiras eleições no Japão com votação aberta para pessoas a partir dos 18 anos de idade, após a aplicação de uma reforma da lei eleitoral que rebaixou a antiga idade de voto de 20 anos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos