PUBLICIDADE
Topo

Novos desabamentos dificultam acessos à Amatrice

Equipe de resgate trabalha nos escombros de uma casa em Amatrice - Vigili del Fuoco via Reuters
Equipe de resgate trabalha nos escombros de uma casa em Amatrice Imagem: Vigili del Fuoco via Reuters

Laura Serrano-Conde

Em Amatrice (Itália)

26/08/2016 12h39

.As novas quedas de edifícios e de estruturas de pequenas cidades próximas a Amatrice durante a última madrugada provocaram nesta sexta-feira (26) o fechamento de algumas estradas de acesso à região.

Uma das vias foi oficialmente cortada pelas autoridades e os motoristas que querem chegar a este município precisam buscar vias alternativas. A interrupção da circulação também afetou equipes médicas e o Corpo de Bombeiros, que tiveram que contornar para chegar ao local.

Esta região dos Apeninos Centrais atingida pelo tremor de magnitude 6 na escala Richter há dois dias registrou na manhã desta sexta-feria (26) um novo abalo que alcançou uma intensidade de 4,8 graus, o que causou desmoronamentos e gerou preocupação entre as centenas de pessoas que tiveram que passar a noite dentro dos próprios carros ou acampando em tendas. As últimas réplicas afetaram principalmente à Ponte a Tre Occhi, na Estrada 260, um dos principais acessos a Amatrice e por onde chegavam as ajudas à cidade, de acordo com a Defesa Civil italiana.

Mas não é só Amatrice que está com um aspecto devastador, com o centro histórico quase totalmente destruído. Povoados e aldeias próximos também sofreram graves danos.

Já na quarta-feira, horas depois do terremoto mais forte, a estrada principal de acesso a Amatrice foi cortada porque o asfalto apresentava grandes rachaduras que tornavam a circulação perigosa. A chegada ao centro histórico de Amatrice, a parte mais prejudicada e onde ainda permanece erguida, mas muito danificada e com risco de queda, só era possível a pé.

A população retirada de casa foi levada para o lado oposto da cidade, onde os prédios apresentam danos mais leves e onde está situado o acampamento dos voluntários.

Amatrice tem uma geografia montanhosa e está situada na província de Rieti, na região do Lácio, da qual Roma, que fica a 140 quilômetros ao sudoeste, é a capital. Conforme o último censo, Amatrice possuía pouco menos de 3 mil habitantes.

Após o terremoto da quarta-feira, muitas das vias de acesso à região estão com grandes fendas, a maior parte das estradas está sem iluminação e as redes de telefone e internet estão completamente instáveis.

Segundo os últimos dados oficiais fornecidos pela Defesa Civil, 267 pessoas morreram vítimas do terremo, mas o receio é de que o número seja superior, já que vários cidadãos ainda estão desaparecidos.

Drone revela estragos em Amatrice após terremoto

Reuters