Confrontos entre polícia e milícias separatistas deixam 55 mortos em Uganda

(Atualiza com novos dados)

Nairóbi, 27 nov (EFE).- Os confrontos ocorridos nos últimos dias entre policiais e milícias separatistas que apoiam o rei de Rwenzururu deixaram ao menos 55 mortos em Uganda, informou a polícia neste domingo.

Desde a quinta-feira são registrados confrontos na cidade de Kasese, sob controle do rei Charles Wesley Mumbere, depois que um grupo de homens armados, supostamente membros da guarda real, atacaram uma delegacia.

Em meio ao aumento da violência, as Forças de Defesa de Uganda (UPDF) entraram no palácio real, onde ocorreu um intenso tiroteio. Segundo a televisão ugandense, os militares prenderam o rei, que foi transferido em helicóptero à capital, Campala.

O porta-voz da Polícia, Félix Kaweesi, explicou à imprensa local que 14 agentes e 41 integrantes das milícias de Rwenzururu morreram nestes confrontos registrados muito perto da fronteira com a República Democrática do Congo.

"Achamos que estes ataques têm um motivo político e prendemos 15 líderes", disse o porta-voz policial, que afirmou que o objetivo dos agressores pode ser conseguir a independência de Uganda.

Em 2009, o presidente ugandense, Yoweri Museveni, reconheceu oficialmente o reino de Rwenzururu, status que não concede nenhum poder executivo, mas permite aos monarcas decidirem assuntos culturais e sociais que afetam seu povo.

No entanto, as tensões continuaram nos últimos anos e os confrontos com as forças de segurança ugandenses são constantes.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos