Turquia decreta prisão preventiva para 100 militares por vínculos golpistas

Istambul, 30 dez (EFE).- Um tribunal de Istambul decretou nesta sexta-feira prisão preventiva para 100 militares de diversas patentes, entre eles oficiais da ativa, por suspeita de que tinham vínculos com a confraria do clérigo exilado Fethullah Gülen, à qual o governo turco atribui o fracassado golpe de Estado de julho.

Os militares tinham sido detidos dentro de uma operação contra gülenistas iniciada em 17 de dezembro e que ainda continua, informou a emissora "NTV".

Segundo a acusação, os suspeitos usavam o aplicativo Bylock, um serviço de encriptação de mensagens para smartphones supostamente desenvolvido para comunicação secreta entre os membros da confraria.

A imprensa turca calcula que 55 mil pessoas no país utilizavam este aplicativo e todas são suspeitas de vínculos com o movimento gülenista, que até 2013 foi um aliado do governo de Ancara.

Durante a recente operação, o Ministério Público turco pediu a prisão de 575 militares, dos quais 351 já foram detidos, e 161 estão em regime de prisão preventiva, incluindo os que foram levados hoje à justiça. Além disso, sete suspeitos foram colocados em liberdade com acusações por "arrependimento sincero", ainda segundo a "NTV". EFE

iut/id

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos