Seul reforça segurança após envolver Pyongyang em morte de Kim Jong-nam

Seul, 20 fev (EFE).- O presidente interino da Coreia do Sul, Hwang Kyo-ahn, pediu nesta segunda-feira ao governo para reforçar a segurança do país perante possíveis "provocações" da Coreia do Norte, dada a "certeza" do envolvimento de Pyongyang na morte de Kim Jong-nam, irmão mais velho do líder norte-coreano.

Hwang pediu a altos funcionários e militares em reunião do Conselho de Segurança Nacional para ficar em alerta perante a possibilidade de que o país vizinho realize atos terroristas contra o pessoal de Governo ou cidadãos sul-coreanos "para desviar a atenção internacional (do crime)", informou a agência de notícias "Yonhap".

Kim Jong-nam morreu no dia 13 de fevereiro quando era levado ao hospital após ser supostamente envenenado por duas mulheres no terminal de desembarque internacional do aeroporto de Kuala Lumpur, onde ia pegar um voo de volta para Macau, onde morava em seu exílio voluntário.

A Polícia malásia mantém detidas duas mulheres - uma vietnamita e outra indonésia - e dois homens - um malaio e um norte-coreano -, e continua procurando outros quatro cidadãos desse país por seu envolvimento no fato.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos