Itália detém 3 supostos jihadistas que planejavam atentados em Veneza

Em Roma

  • Italian Police/Carabinieri/AP

    Imagem tirada de vídeo mostra policiais durante operação que levou à prisão de três kosovares em Veneza, na Itália

    Imagem tirada de vídeo mostra policiais durante operação que levou à prisão de três kosovares em Veneza, na Itália

As forças da segurança da Itália detiveram nesta quinta-feira (30) três supostos jihadistas originários do Kosovo, que segundo as escutas a que foram submetidos tinham planos de realizar ataques em Veneza e de viajar à Síria para se juntarem ao Estado Islâmico (EI).

Além dos três kosovares, um menor foi detido por supostamente fazer parte do grupo, que vinha sendo investigado há meses.

As detenções se aceleraram após seus comentários exaltando o ataque em Londres de 22 de março, no qual morreram quatro pessoas.

Naquele dia, Khalid Masood, um britânico de 52 anos que adotou esse nome ao se converter ao islã, atropelou com um veículo várias pessoas na ponte de Westminster e tentou de entrar armado com uma faca no parlamento britânico.

Os três detidos começaram a avaliar a possibilidade de fazer algo parecido em Veneza, em um lugar de grande interesse turístico como a ponte de Rialto, explicaram os investigadores.

Os detidos são Fisnik Bekaj, de 24 anos, morador da província de Treviso; Dale Haziraj, de 25 anos, e Arjan Babaj, de 27, ambos residentes em Veneza. Todos eles têm permissão de residência válida e trabalhavam como garçons em um restaurante da cidade.

Os três foram detidos durante a madrugada de hoje em uma casa em Veneza, perto do teatro La Fenice, e também foram feitas buscas em 12 apartamentos da cidade e em Treviso e Mestre, localidades próximas.

Durante uma entrevista coletiva, o promotor de Veneza Adelchi D'ippolito explicou que as kosovares tinham baixado da internet manuais de combate corpo a corpo com facas e outros vídeos de propaganda do Estado Islâmico (EI).

Segundo o promotor, os detidos também "realizavam simulações para tentar fabricar explosivos em casa" e todos eles demonstravam nas escutas telefônicas "grande adesão à ideologia do EI".

A investigação começou em 2016, quando um dos detidos retornou de uma viagem à Síria e passou a ter seus computadores e telefones monitorados pelas autoridades, além de suas visitas à mesquita de Mestre.

O ministro do Interior italiano, Marco Minniti, parabenizou as forças da ordem pelo "ótimo trabalho realizado para a prevenção do terrorismo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos