Coreia do Norte acusa Coreia do Sul de violar seu espaço aéreo

Em Seul

  • Lim Byung-shick/Yonhap via AP

    22.mai.2017 - Exército sul-coreano faz exercício com armamentos perto da fronteira

    22.mai.2017 - Exército sul-coreano faz exercício com armamentos perto da fronteira

A Coreia do Norte acusou neste sábado (27) a vizinha Coreia do Sul de violar seu espaço aéreo com um veículo não tripulado no que qualificou de "grave provocação militar", segundo informou a agência de notícias norte-coreana "KCNA".

Segundo a informação divulgada pela agência, o avião de vigilância Heron sobrevoou a área fronteiriça ocidental quatro vezes ontem, destacando que se trata de um fato "grave", já que coincidiu com o envio temporário de quatro drones Global Hawk e 100 soldados para a base aérea japonesa de Yokoda.

Pyongyang também culpou Seul pela escalada de tensão entre os dois países e advertiu o vizinho de uma "resposta sem piedade como represália".

O fato aconteceu depois que a Coreia do Sul realizou, na terça-feira (23), disparos de advertência na fronteira perante a aproximação de um objeto voador não identificado procedente do Norte. Um dia depois, foi esclarecido que se tratavam de balões com propaganda a favor do regime de Kim Jong-un.

Coreia: uma península dividida em dois; entenda

A incursão ocorreu com as tensões já altas na península coreana após o teste de lançamento de míssil balístico pelo Norte no domingo, o qual Pyongyang afirmou provar avanços na busca da construção de uma arma com ponta nuclear que que possa atingir alvos norte-americanos.

Os Estados Unidos têm tentado persuadir a China, principal aliada da Coreia do Norte, a fazer mais para controlar a Coreia do Norte, que tem conduzido dezenas de lançamentos de mísseis e que testou duas bombas nucleares desde o início do ano passado, desafiando as sanções e resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

O Norte não esconde seus planos de desenvolver um míssil capaz de atingir os Estados Unidos e tem ignorado pedidos de interromper seus programas de armas, mesmo da China. O país afirma que o programa é necessário para conter a agressão norte-americana. (Com agências internacionais)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos