PUBLICIDADE
Topo

"Harvey" deixa mais de 30 mortos e 32 mil deslocados na passagem pelo Texas

31/08/2017 15h55

Houston (EUA), 31 ago (EFE).- As tarefas de resgate continuam nesta quinta-feira em numerosas cidades do Texas após a passagem do devastador ciclone "Harvey", que já deixou mais de 30 mortos e dezenas de milhares de deslocados, e agora ameaça a área fronteiriça com a vizinha Louisiana.

Em Houston, a cidade mais afetada e onde afortunadamente não choveu nas últimas 24 horas, mais de 32.000 pessoas se encontram hospedadas em refúgios temporários enquanto prosseguem os trabalhos de busca e resgate.

O bom tempo permitiu ainda começar as tarefas de limpeza, uma vez que o nível das águas começou a diminuir na área de Houston, onde vivem cerca de 6,5 milhões de pessoas.

Ao problema das inundações, qualificadas como "catastróficas" pelas autoridades, se somaram nesta madrugada várias explosões em uma usina química em Crosby, 25 quilômetros ao nordeste de Houston, o que fez com que as autoridades evacuassem uma área de quase dois quilômetros no seu entorno perante o perigo de novas explosões.

O foco da tempestade, por sua parte, tem se movido para o nordeste, na fronteira entre o Texas e a Louisiana, onde deixou copiosas chuvas e um similar rastro de destruição e inundações, o que obrigou as autoridades a abrir alguns refúgios.

Uma das localidades mais golpeadas é Beaumont, com 120.000 habitantes e perto da fronteira com a Louisiana, onde o chefe de bombeiros, Brad Pennison, assinalou que "toda a cidade se encontra inundada" e que o fornecimento de água potável foi interrompido.

Devido a isso, Pennison pediu aos cidadãos que fervam água antes do seu consumo para evitar doenças.

Em uma situação similar se encontra Port Arthur, próxima a Beamont e 170 quilômetros ao leste de Houston.

Precisamente em Port Arthur, onde vivem 50.000 pessoas, se encontra a Motiva, maior refinaria de petróleo dos EUA, que nesta quarta-feira anunciou seu fechamento temporário "em resposta às crescentes inundações".

Dado que esta área do Texas é o coração da indústria de refino de petróleo dos EUA, se calcula que quase 25% do total da capacidade do país se encontra paralisada, o que os especialistas asseguram que terá um impacto nos preços da gasolina.

Por sua parte, o vice-presidente americano, Mike Pence, viaja hoje à área para supervisionar os trabalhos e observar de perto os trágicos efeitos de "Harvey", já transformado em tempestade tropical, depois da visita que o presidente Donald Trump fez na última terça-feira.

Trump, que retornará ao Texas no sábado, assegurou que a tempestade tinha sido de "proporções épicas" e prometeu respaldo federal.

A expectativa é que o governante anuncie na próxima semana um pacote de assistência federal, algo que se prevê seja aprovado sem problemas pelo Congresso para financiar os trabalhos de reconstrução.

"Espero que aconteça de maneira rápida", disse Trump durante a sua visita a Austin, capital do estado. Ainda que tenha evitado oferecer uma cifra, o governante apontou que será "de bilhões de dólares".

Os especialistas assinalam que o Fundo de Alívio de Desastres Naturais da Agência Federal de Gestão de Emergências (FEMA), atualmente de US$ 2,2 bilhões, se esgotará com rapidez dada a magnitude dos danos.

Curiosamente, os dois senadores pelo Texas, os republicanos Ted Cruz e John Cornyn, que agora solicitaram ajuda do governo federal, votaram contra uma legislação similar para apoiar×à resposta ao furacão "Sandy", que em 2012 castigou duramente as costas de Nova Jersey e Nova York.

O diretor da FEMA, Brock Long, insistiu em coletiva de imprensa em que os trabalhadores da agência vão estar no Texas "durante semanas", ao ressaltar o grande trabalho que resta pela frente.

Ainda que posteriormente tenha se transformado em tempestade tropical, "Harvey" foi o furacão mais potente a chegar aos EUA desde 2005, quando "Katrina" assolou Nova Orleans, e o maior a afetar o Texas desde 1961.

A trajetória do seu deslocamento prevê que, após cruzar a Louisiana, chegue ao Missouri e ao Tennessee, ainda que mais debilitado.