Presidente do Egito promete vingança "brutal" por vítimas de atentado

Cairo, 24 nov (EFE).- O presidente do Egito, Abdul Fatah al Sisi, prometeu nesta sexta-feira que o exército e a polícia "se vingarão" pelas vítimas do pior ataque terrorista cometido na história recente do país, que deixou pelo menos 235 mortos e 109 feridos.

As forças armadas e a polícia "vão se vingar por nossos filhos para recuperar a estabilidade e vamos responder a este ato com uma força brutal", garantiu Al Sisi em um discurso transmitido pela televisão oficial egípcia.

O atentado aconteceu hoje na mesquita Al Rauda, frequentada pelos sufis - um ramo do islã - na cidade de Bear al Abd, ao oeste de Al Arish, capital do norte do Sinai egípcio.

"O Egito enfrenta o terrorismo sozinho, em nome da região e de todo o mundo", afirmou em árabe clássico o líder egípcio, que acrescentou que "esta é uma tentativa para frear nossos esforços na luta antiterrorista".

Além disso, pronunciou uma frase em dialeto egípcio: "Veremos quem ajuda Deus, porque Deus ajuda as pessoas boas e não as pessoas malvadas".

Segundo a televisão oficial egípcia, Al Sisi ordenou o pagamento de 200.000 libras egípcias (pouco mais de US$ 11 mil) às famílias das vítimas mortais, enquanto 50.000 libras (quase US$ 3 mil) serão destinadas às famílias dos feridos.

Fontes de segurança egípcia explicaram à Efe que os terroristas colocaram artefatos explosivos de fabricação caseira ao redor da mesquita Al Rauda e os detonaram na saída dos fiéis da oração de sexta-feira, dia sagrado para os muçulmanos.

Após as explosões os terroristas dispararam contra as pessoas que tentavam fugir da mesquita, segundo a fonte, que acrescentou que as primeiras ambulâncias que chegaram à área também foram atacadas.

A presidência egípcia declarou três dias de luto nacional pelas vítimas do ataque na mesquita, que ainda não foi reivindicado por nenhum grupo extremista.

Na província do Norte do Sinai, onde o estado de emergência está vigente desde 2014, opera o braço egípcio do grupo jihadista Estado Islâmico (EI), chamado Wilayat Sina, que reivindicou a maioria dos atentados ocorridos nos últimos anos no país.

Desde o dezembro do ano passado, o Egito viveu uma série de atentados contra os cristãos coptas e o país se encontra em estado de emergência desde abril por conta dos atentados contra duas igrejas coptas no delta do Nilo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos