Irlanda realizará referendo sobre aborto no fim de maio

Londres, 29 jan (EFE).- O primeiro-ministro da Irlanda, Leo Varadkar, anunciou nesta segunda-feira a realização de um referendo sobre os casos nos quais o aborto poderá ser autorizado no país, que atualmente só permite a interrupção da gravidez quando há risco para a vida da mãe.

Após quatro horas de debate, o Conselho de Ministros da Irlanda aprovou a realização do referendo, que pode mudar uma lei aprovada em 1983 e que é uma das mais restritivas da Europa.

Varadkar fez o anúncio durante uma entrevista coletiva em Dublin. Segundo o primeiro-ministro, a data do referendo será marcada após o fim dos debates sobre a convocação no parlamento do país.

"O gabinete deu a aprovação formal para celebramos um referendo sobre o aborto, que acontecerá no fim de maio", disse.

A atual lei proíbe a interrupção da gravidez em casos de estupro, de incesto e de anomalias do feto. Dessa forma, os irlandeses poderão decidir se querem revogar a oitava emenda da Constituição, que garante o mesmo direito à vida para a mãe e para o bebê.

Desde 2013, uma nova regra permite a interrupção da gravidez quando a vida da mãe corre perigo.

Varadkar disse que a atual legislação é muito restritiva.

"Qualquer emenda à nossa Constituição requer uma consideração cuidadosa por parte dos cidadãos. Eles devem ter um amplo período de tempo para avaliar esses assuntos e participarem de um debate público que seja bem informado", disse o primeiro-ministro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos