Ex-assessor chantageou juíza para que não investigasse esposa de Netanyahu

Jerusalém, 20 fev (EFE).- Nir Hefetz, ex-assessor de comunicação do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, é suspeito de ter oferecido à juíza Hila Gerstel o posto de procuradora-geral em troca de encerrar o caso aberto contra Sara Netanyahu por mal uso de fundos públicos, confirmaram nesta terça-feira fontes policiais.

Hefetz, que foi assessor de comunicação do dirigente israelense desde 2014 até 2017, teria enviado esta proposta a Gerstel em 2015 através de uma pessoa de confiança da juíza, informou nesta terça-feira o jornalista Ben Caspit.

Segundo um comunicado policial, trata-se do caso denominado 1270, investigado pela unidade Lahav 433 (que se encarrega de crimes nacionais e corrupção), pelo qual foram detidas duas pessoas "suspeitas de delitos e corrupção", que a nota não identifica.

Trata-se de "fatos que sucederam em 2015 quando uma funcionária pública de alta categoria foi contatada para facilitar sua promoção à procuradora-geral (manipulando o processo de seleção) em troca de uma promessa futura (de agir) sobre um caso".

A evidência policial "mostra que o pedido não teve sucesso".

Hefetz negou categoricamente as acusações, informou hoje o canal de televisão "Hadashot".

Segundo informa Caspit, a juíza Gerstel se mostrou "muito surpresa" perante a proposta do intermediário, que suporia uma tentativa de suborno e, de fato, não foi nomeada procuradora-geral.

Um comunicado do escritório do primeiro-ministro negou estas informações. "Hefetz nunca fez uma oferta tão ridícula. Nunca houve um pedido assim e não podemos acreditar que fizesse tal coisa por vontade própria", aponta a nota recolhida pela imprensa do país.

Sara Netanyahu foi acusada de fraude e abuso de confiança em 2017 por suposta falsificação de recibos e uso indevido de fundos públicos em custosos serviços de "catering" e contratação de cozinheiros para jantares privados, acusações às quais respondeu alegando que carecia de um cozinheiro na residência oficial.

Hefetz está detido desde domingo pela relação com outra investigação de corrupção, denominado caso 4000, pela envolvimento em um pacto para ter uma cobertura favorável da família Netanyahu no jornal israelense "Walla" em troca de favores ao grupo de telecomunicações Bezeq, do mesmo proprietário.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos